Loja OLAVETTES: produtos Olavo de Carvalho

Assembléia Legislativa do Rio de Janeiro concede Medalha Tiradentes a Olavo de Carvalho. Aqui.

segunda-feira, 28 de novembro de 2011

Artigo: Políticos cristãos no desafio europeu, por Luca Volontè

CATÓLICOS NA POLÍTICA
SEGUNDA-FEIRA, 28 DE NOVEMBRO DE 2011


ROMA, sexta-feira, 25 de novembro de 2011 (ZENIT.org) - A análise crítica do papa Bento XVI sobre a Europa é oportuna. Há sinais de grande preocupação com o abandono da fé e da consciência de Deus nas nossas vidas. Apesar disso, eu vejo uma grande vivacidade e uma recuperação interessante em muitos dos países que sofreram as piores consequências da mentalidade relativista.

Vamos pensar na vitalidade dos grupos cristãos e das associações espanholas, na criatividade e na convincente capacidade que eles têm de mobilizar pessoas; pensemos também nas novas iniciativas dos países escandinavos ou no gênio surgido na Inglaterra na viagem do papa.

Na minha experiência europeia, eu vejo como os países do Leste do continente vão tendo cada vez mais coragem de se pronunciar em defesa dos valores que eles possuem. A Europa precisa de homens políticos corajosos, capazes de lutar boas batalhas.

E a este respeito, eu gostaria de fazer um apelo. É necessário que os bispos dediquem mais tempo a incentivar os leigos comprometidos na política. A solidão é uma doença terrível, e as muitas exigências da política devem ser acompanhadas de apoio, de formação e de diálogo pessoal e comunitário, a fim de reforçar a ligação entre os políticos cristãos e povo cristão. Os leigos comprometidos na política muitas vezes são deixados ao deus-dará, e vistos como estranhos pelo próprio povo cristão.

Esse reforço nas relações entre políticos e o povo cristão nos beneficiará, graças aos novos procedimentos de consulta previstos nos Tratados Europeus (artigo 17 do Tratado de Lisboa). É interessante notar, num espírito construtivo, que os diferentes grupos anticristãos são muito ativos, enquanto as associações católicas não conseguem fazer render todo o seu potencial.

É preciso refletir e levar a sério as palavras de Jesus sobre a astúcia que é necessária aos filhos da luz. Os filhos das trevas são hábeis e astutos, e isto é coisa que não deve nos preocupar, porque já sabemos disso há dois mil anos! Precisamos, do meu ponto de vista, melhorar a organização, coordenação e eficácia das ações conjuntas entre as centenas de organizações locais, nacionais e europeias católicas. Temos a necessidade de alianças operacionais com outras igrejas e religiões que queiram afirmar o papel central da dignidade da vida, da família e da liberdade de educação para o futuro europeu.

Não temos que considerar garantida a vitória dos poderosos lobbies anti-cristãos nos parlamentos nacionais e nos organismos internacionais. Os primeiros a estar cientes disto são os próprios atores principais das organizações contrárias à família, à vida e à liberdade de educação. Algumas das nossas vitórias parlamentares no Conselho da Europa em Estrasburgo, inclusive, mostraram melhor os limites dos nossos adversários.

Vamos citar como exemplo a decisão do Tribunal Europeu dos Direitos Humanos em Estrasburgo sobre a exposição do crucifixo nas escolas da Itália. Em 18 de março de 2011, por grande maioria (quinze votos a dois), a corte determinou que os crucifixos nas escolas públicas da Itália não violam a Convenção Europeia de Direitos Humanos, derrubando a decisão de 3 de novembro de 2009 em que, por unanimidade, os 7 juízes tinham se pronunciado contra a exposição do crucifixo.

Outro evento animador: no dia 7 de outubro de 2010, a Assembleia Parlamentar do Conselho da Europa derrubou uma proposta de resolução que restringiria o direito de médicos e profissionais de saúde à objeção de consciência, para facilitar o acesso ao aborto. O texto ideológico de uma deputada britânica, graças à aprovação de 89 emendas que nós tínhamos preparado, foi literalmente substituído por um novo texto, que afirma, defende e promove o direito do pessoal médico à objeção de consciência. Quanto a combater a perseguição contra os cristãos, também conseguimos vitórias significativas.

Esperamos que estes sinais positivos virem uma nova tendência. Eles indicam que a nossa presença no espaço europeu como Igreja pode dar frutos no âmbito das decisões institucionais, se soubermos sair da resignação para explorar o nosso potencial ligado à catolicidade da Igreja.

Isso nos estimula a ter mais responsabilidade pessoal, política e social. Mas é necessário que a criatividade e os carismas, a generosidade e a capacidade de tantas associações pró-família, pró-vida e pró-liberdade de educação se coordenem e colaborem com aqueles que se envolvem na política.

Naturalmente, é importante a contribuição que a CCEE pode dar para apoiar esta rede criativa. É muito significativo que a CCEE, uma organização nascida na década de setenta, tenha representado uma Europa eclesial que já estava profeticamente além do muro que dividia o continente entre leste e oeste, enquanto o mundo político não podia sequer sonhar com essa Europa além da Cortina de Ferro.

A Igreja deve poder pesar as decisões tomadas pela política e, assim, poder julgar. Uma sinergia maior entre a dimensão política e eclesial, não só responde a uma necessidade, mas também à dimensão unitária da pessoa humana.

Temos que acompanhar estas questões e fazer com que a nossa voz seja ouvida através de contatos com parlamentares e membros do governo, através da presença na mídia, de cartas para as instituições, da organização de seminários, de artigos de pessoas competentes ... As instituições são muito sensíveis à opinião pública. O que é decidido em Bruxelas ou em Estrasburgo quase sempre depende da posição que as pessoas têm nos vários países. Temos experimentado, algumas vezes, que o contato com um único parlamentar nacional já pode influenciar uma decisão.

É preciso, então, um grande chamamento à sábia mobilização em prol do crescimento do "neo-humanismo", que é tão urgente para a Europa. Os valores não negociáveis, magistralmente claros na Nota Doutrinal de 2002, devem ser a base fundamental da construção e da convocação do político cristão; um mapa rumo aos frutos da doutrina social da Igreja. É preciso educar uma nova geração de católicos na vida pública e na responsabilidade democrática da política, uma nova geração de pessoas dispostas a se comprometer com ousadia, sem medo nenhum e com uma certa dose de alegria.

*Luca Volontè é parlamentar do Conselho da Europa

Nenhum comentário:

wibiya widget

A teoria marxista da “ideologia de classe” não tem pé nem cabeça. Ou a ideologia do sujeito traduz necessariamente os interesses da classe a que ele pertence, ou ele está livre para tornar-se advogado de alguma outra classe. Na primeira hipótese, jamais surgiria um comunista entre os burgueses e Karl Marx jamais teria sido Karl Marx. Na segunda, não há vínculo entre a ideologia e a condição social do indivíduo e não há portanto ideologia de classe: há apenas a ideologia pessoal que cada um atribui à classe com que simpatiza, construindo depois, por mera inversão dessa fantasia, a suposta ideologia da classe adversária. Uma teoria que pode ser demolida em sete linhas não vale cinco, mas com base nela já se matou tanta gente, já se destruiu tanto patrimônio da humanidade e sobretudo já se gastou tanto dinheiro em subsídios universitários, que é preciso continuar a fingir que se acredita nela, para não admitir o vexame. Olavo de Carvalho, íntegra aqui.
"Para conseguir sua maturidade o homem necessita de um certo equilíbrio entre estas três coisas: talento, educação e experiência." (De civ Dei 11,25)
Cuidado com seus pensamentos: eles se transformam em palavras. Cuidado com suas palavras: elas se transformam em ação. Cuidado com suas ações: elas se transformam em hábitos. Cuidado com seus atos: eles moldam seu caráter.
Cuidado com seu caráter: ele controla seu destino.
A perversão da retórica, que falseia a lógica e os fatos para vencer o adversário em luta desleal, denomina-se erística. Se a retórica apenas simplifica e embeleza os argumentos para torná-los atraentes, a erística vai além: embeleza com falsos atrativos a falta de argumentos.
‎"O que me leva ao conservadorismo é a pesquisa e a investigação da realidade. Como eu não gosto de futebol, não gosto de pagode, não gosto de axé music, não gosto de carnaval, não fumo maconha e considero o PT ilegal, posso dizer que não me considero brasileiro - ao contrário da maioria desses estúpidos que conheço, que afirma ter orgulho disso". (José Octavio Dettmann)
" Platão já observava que a degradação moral da sociedade não chega ao seu ponto mais abjeto quando as virtudes desapareceram do cenário público, mas quando a própria capacidade de concebê-las se extinguiu nas almas da geração mais nova. " Citação de Olavo de Carvalho em "Virtudes nacionais".