Loja OLAVETTES: produtos Olavo de Carvalho

Assembléia Legislativa do Rio de Janeiro concede Medalha Tiradentes a Olavo de Carvalho. Aqui.

quinta-feira, 17 de maio de 2012

Rio: 51% dos alunos são retidos no 1º ano do ensino médio

 

O GLOBO

RUBEN BERTA

Entre os 92 municípios do estado, capital aparece melhor apenas do que Búzios em taxa de abandono e reprovação

Publicado:16/05/12 - 23h13

Atualizado:17/05/12 – 0h28

RIO - Os dados divulgados esta semana pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep) revelam que, se no Estado do Rio a situação do ensino médio é crítica, na capital é pior ainda. No 1º ano, por exemplo, 51% dos estudantes da rede pública repetem ou abandonam a escola. O número coloca os cariocas com o terceiro pior desempenho entre todas as 27 capitais do país, à frente apenas de Vitória (53,3%) e Porto Alegre (52,5%).

Entre os 92 municípios fluminenses, a rede pública da cidade do Rio só é melhor do que Búzios no 1º ano do ensino médio. O município da Região dos Lagos apresentou taxa de 53,6% na soma de abandono e repetência. Na outra ponta, aparece a pequena Italva, com apenas 5,8%. Os dados são referentes ao ano de 2011.

Levando-se em conta todos os três anos do ensino médio, a capital fluminense tem 39,7% dos estudantes retidos porque largaram a escola ou não conseguiram passar para outra série. O Rio aparece como a quarta pior capital do país. A pior foi Salvador, com 42,9%. A melhor, Manaus (19,3%). Dentro do estado, os cariocas novamente só conseguem ficar melhor do que Búzios (41,6%).

Para especialista, problema é ainda maior

Para a mestre em educação pela PUC-Rio e superintendente-executiva do Instituto Unibanco, Wanda Engel, a situação pode ser ainda mais grave do que a mostrada por esses números.

— O problema pode ser ainda mais sério, já que há pesquisas mostrando que, em termos nacionais, 20% dos alunos que saem do ensino fundamental sequer se matriculam no ensino médio. Para quem ingressa, o principal momento de desistência é o 2º bimestre do 1º ano. E a grande questão é a falta de condições acadêmicas: o estudante chega sem ter aprendido fração para estudar física e química. Tira zero nas provas e acaba achando que não é capaz — avalia ela.

Quando é feita a comparação entre a rede pública (onde mais de 95% das matrículas estão com o estado e o restante é federal) e a particular na capital, o abismo fica evidente. Se na primeira o índice de abandono e reprovação no 1º ano do ensino médio é de 51%, nas escolas privadas é de somente 16,3%.

— Na capital, há um ponto crítico na rede pública, que é a grande oferta de vagas noturnas no ensino médio. E, do jeito que as aulas são aplicadas à noite, são um convite para o abandono. Esse período deveria ser reservado para os jovens acima de 18 anos que cursam a Educação de Jovens e Adultos (antigo supletivo) — completa Wanda Engel.

Apesar do fraco desempenho principalmente na capital, o secretário estadual de Educação, Wilson Risolia, comemorou os resultados divulgados esta semana pelo Inep, pois mostram que tem havido uma diminuição significativa de alunos que repetem ou abandonam o ensino médio.

— Quando falamos de todo o estado, fomos o terceiro que mais melhorou desde 2009 na quantidade de aprovados, tanto no ensino médio quanto somente no 1º ano. No total do ensino médio, por exemplo, a rede diminuiu em 5,3% o número de alunos que são reprovados ou abandonam a escola de dois anos para cá.

Risolia admite, no entanto, que ainda há muito o que fazer. O secretário afirma que parte do problema no ensino médio é decorrência de falhas no ensino fundamental, mas que estão sendo tomadas ações de aceleração escolar, para os alunos com defasagem idade-série, e de reforço, para aqueles que não conseguem acompanhar o ritmo das aulas.

— Em 2010, tínhamos 60 mil alunos fazendo reforço. Este ano, a nossa expectativa é chegar a 240 mil. Realmente enfrentamos um problema de falta de vagas diurnas, principalmente na Zona Oeste da capital. Mas no início deste ano, por exemplo, abrimos três mil. Também estamos preparando mudanças na Educação de Jovens e Adultos para o segundo semestre — adiantou o secretário.

Responsável por boa parte do ensino fundamental (porta de entrada do ensino médio) na capital, a secretária municipal de Educação, Claudia Costin, também se defende:

— Até 2009, havia um problema que era a aprovação automática. Quando se implementa esse tipo de progressão sem um processo estruturado de ensino, o problema vai sendo empurrado para frente. Mas, de lá para cá, o quadro já mudou: implementamos medidas como um currículo único e um sistema de acompanhamento de desempenho com provas bimestrais. O Rio está entre as capitais de melhor desempenho no ensino fundamental.

Para Zaia Brandão, professora do Departamento de Educação da PUC-Rio, a crise do ensino médio tem uma de suas principais raízes na formação do professor:

— Enquanto não levarmos a sério as condições de formação e trabalho (materiais, culturais e simbólicas) do professor, a situação permanecerá caótica. A solução não será encontrada com fórmulas mágicas e sim com vontade política e competência técnica.

Leia mais sobre esse assunto em http://oglobo.globo.com/rio/rio-51-dos-alunos-sao-retidos-no-1-ano-do-ensino-medio-4920192#ixzz1v80UjjYJ
© 1996 - 2012. Todos direitos reservados a Infoglobo Comunicação e Participações S.A. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.

Nenhum comentário:

wibiya widget

A teoria marxista da “ideologia de classe” não tem pé nem cabeça. Ou a ideologia do sujeito traduz necessariamente os interesses da classe a que ele pertence, ou ele está livre para tornar-se advogado de alguma outra classe. Na primeira hipótese, jamais surgiria um comunista entre os burgueses e Karl Marx jamais teria sido Karl Marx. Na segunda, não há vínculo entre a ideologia e a condição social do indivíduo e não há portanto ideologia de classe: há apenas a ideologia pessoal que cada um atribui à classe com que simpatiza, construindo depois, por mera inversão dessa fantasia, a suposta ideologia da classe adversária. Uma teoria que pode ser demolida em sete linhas não vale cinco, mas com base nela já se matou tanta gente, já se destruiu tanto patrimônio da humanidade e sobretudo já se gastou tanto dinheiro em subsídios universitários, que é preciso continuar a fingir que se acredita nela, para não admitir o vexame. Olavo de Carvalho, íntegra aqui.
"Para conseguir sua maturidade o homem necessita de um certo equilíbrio entre estas três coisas: talento, educação e experiência." (De civ Dei 11,25)
Cuidado com seus pensamentos: eles se transformam em palavras. Cuidado com suas palavras: elas se transformam em ação. Cuidado com suas ações: elas se transformam em hábitos. Cuidado com seus atos: eles moldam seu caráter.
Cuidado com seu caráter: ele controla seu destino.
A perversão da retórica, que falseia a lógica e os fatos para vencer o adversário em luta desleal, denomina-se erística. Se a retórica apenas simplifica e embeleza os argumentos para torná-los atraentes, a erística vai além: embeleza com falsos atrativos a falta de argumentos.
‎"O que me leva ao conservadorismo é a pesquisa e a investigação da realidade. Como eu não gosto de futebol, não gosto de pagode, não gosto de axé music, não gosto de carnaval, não fumo maconha e considero o PT ilegal, posso dizer que não me considero brasileiro - ao contrário da maioria desses estúpidos que conheço, que afirma ter orgulho disso". (José Octavio Dettmann)
" Platão já observava que a degradação moral da sociedade não chega ao seu ponto mais abjeto quando as virtudes desapareceram do cenário público, mas quando a própria capacidade de concebê-las se extinguiu nas almas da geração mais nova. " Citação de Olavo de Carvalho em "Virtudes nacionais".