Loja OLAVETTES: produtos Olavo de Carvalho

Assembléia Legislativa do Rio de Janeiro concede Medalha Tiradentes a Olavo de Carvalho. Aqui.

sexta-feira, 18 de maio de 2012

Fala o presidente da ABI: Estão querendo intimidar a imprensa

 

REINALDO AZEVEDO

17/05/2012 às 22:12

 

O programa Observatório da Imprensa fez um debate sobre a CPI do Cachoeira e a atuação do jornalismo. Maurício Azêdo, presidente da Associação Brasileira de Imprensa, falou sobre a iniciativa daqueles que querem convocar Policarpo Júnior, da VEJA, para depor. Para ele, trata-se de uma ação para intimidar jornalistas e veículos de comunicação. Transcrevo, em azul, trecho do site do Observatório. Volto depois:
(…)
”Os jornalistas teriam que ser muito cautelosos, e até recuar na sua atividade profissional, para não se expor ao vexame que seria comparecer a uma CPI. Isso é muito grave e tem o conteúdo de vendetta (vingança). É uma diminuição dos altos propósitos que deve ter uma Comissão Parlamentar de Inquérito; é colocar um instrumento de investigação parlamentar a serviço de interesses pessoais de deputados e senadores e de todos aqueles que queiram fazer um ajuste de contas com os jornalistas e com os seus veículos”.

O presidente da ABI ressaltou que a postura da entidade não é de corporativismo e visa proteger os jornalistas. “Os jornalistas não podem ser submetidos ao risco de ser escalpelados pelos políticos que têm, inclusive, o poder de falar, de ir à tribuna, de fazer denúncias, enquanto os jornalistas teriam um papel absolutamente passivo. Só teriam duas alternativas. Ou responder ou calar, e com isso se prestar a ser incriminado como pessoa que sonegou informações à CPI. Na verdade, chamar jornalistas a depor é uma advertência ao conjunto dos profissionais e aos meios de comunicação: ‘Vocês tomem cuidado porque podem ser chamados a sentar no banco dos réus’”, afirmou Azêdo.

A ABI também repudiou a promiscuidade que se instala no exercício da atividade profissional, onde não se distingue com clareza “quem é mocinho e quem é bandido”. Azêdo destacou que há muitos jornalistas que estão utilizando métodos criminosos para obter a informação.

Voltei
Endosso cada palavra de Azêdo —e duvido que as pessoas decentes e de bom senso não façam o mesmo. O Observatório reuniu vários profissionais de imprensa para debater o que chamou de “jornalismo fiteiro” — que se apega só a fitas. De fato, se o conteúdo de fitas, com autorização legal ou não, vira a base única de reportagens, sem qualquer outra apuração, o expediente é condenável. Afinal, pode induzir a erro.

“Jornalismo fiteiro” — ou melhor: “subjornalismo fiteiro” — é o que certa vagabundagem tentou usar contra a VEJA. Sem que se soubesse nem sequer o conteúdo dos grampos da PF, saíram a espalhar mentiras e leviandades. Tudo conhecido, revelou-se a fraude das acusações, e ficou evidente o que aponta Azedo: a tentativa de intimidação.

Noto, partindo para o encerramento, que só agora, quando o PT é poder, é que surge o debate sobre o que eu chamaria “qualidade moral da fonte original”. Quando os tucanos estavam no Planalto, essa conversa não existia, e mesmo fitas clandestinas serviam de base para reportagens, não é? E ninguém tentava levar jornalista para a CPI.

Essa história produz é muita espuma e pouca substância. Quem quiser saber como se comporta  o “jornalismo não-fiteiro”, que apura reportagens, pode ler o depoimento que Policarpo Júnior prestou à Comissão de Ética da Câmara em 2005. A divulgação de gravações em que um deputado federal — André Luiz — tentava extorquir um contraventor resultou na cassação do parlamentar. O jornalista cercou-se de todos os cuidados e só publicou a reportagem quando não havia a menor dúvida sobre o que estava acontecendo.

No fim das contas, desde que o jornalista não tenha ajudado a produzir provas e a criar a notícia e desde que a informação que lhe tenha chegado às mãos seja de interesse público, só resta uma coisa a fazer: divulgá-la, depois de devidamente apurada.

Jornalista, tomados os devidos cuidados — e já falamos muitas vezes quais são eles —, não é censor nem de fonte nem dos fatos.  Moralmente condenável é não divulgar a informação.

De resto, caros leitores, o jornalismo brasileiro que se leva a sério costuma ser bastante cuidadoso. Sim, sabemos muito mais do que publicamos. Mas nem sempre há as provas. Sem elas, nada feito! Com a esgotosfera, é diferente: as provas costumam atrapalhar o seu trabalho criminoso. A palavra do presidente da ABI vem em boa hora. Pergunto-me é a razão do silêncio de outras entidades que representam jornalistas, a começar da Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (Abraj). Algum de seus diretores teria atuado ou atua de modo diferente? Têm prestado serviços relevantes ao país falando apenas com as carmelitas descalças?

Por Reinaldo Azevedo

Nenhum comentário:

wibiya widget

A teoria marxista da “ideologia de classe” não tem pé nem cabeça. Ou a ideologia do sujeito traduz necessariamente os interesses da classe a que ele pertence, ou ele está livre para tornar-se advogado de alguma outra classe. Na primeira hipótese, jamais surgiria um comunista entre os burgueses e Karl Marx jamais teria sido Karl Marx. Na segunda, não há vínculo entre a ideologia e a condição social do indivíduo e não há portanto ideologia de classe: há apenas a ideologia pessoal que cada um atribui à classe com que simpatiza, construindo depois, por mera inversão dessa fantasia, a suposta ideologia da classe adversária. Uma teoria que pode ser demolida em sete linhas não vale cinco, mas com base nela já se matou tanta gente, já se destruiu tanto patrimônio da humanidade e sobretudo já se gastou tanto dinheiro em subsídios universitários, que é preciso continuar a fingir que se acredita nela, para não admitir o vexame. Olavo de Carvalho, íntegra aqui.
"Para conseguir sua maturidade o homem necessita de um certo equilíbrio entre estas três coisas: talento, educação e experiência." (De civ Dei 11,25)
Cuidado com seus pensamentos: eles se transformam em palavras. Cuidado com suas palavras: elas se transformam em ação. Cuidado com suas ações: elas se transformam em hábitos. Cuidado com seus atos: eles moldam seu caráter.
Cuidado com seu caráter: ele controla seu destino.
A perversão da retórica, que falseia a lógica e os fatos para vencer o adversário em luta desleal, denomina-se erística. Se a retórica apenas simplifica e embeleza os argumentos para torná-los atraentes, a erística vai além: embeleza com falsos atrativos a falta de argumentos.
‎"O que me leva ao conservadorismo é a pesquisa e a investigação da realidade. Como eu não gosto de futebol, não gosto de pagode, não gosto de axé music, não gosto de carnaval, não fumo maconha e considero o PT ilegal, posso dizer que não me considero brasileiro - ao contrário da maioria desses estúpidos que conheço, que afirma ter orgulho disso". (José Octavio Dettmann)
" Platão já observava que a degradação moral da sociedade não chega ao seu ponto mais abjeto quando as virtudes desapareceram do cenário público, mas quando a própria capacidade de concebê-las se extinguiu nas almas da geração mais nova. " Citação de Olavo de Carvalho em "Virtudes nacionais".