Loja OLAVETTES: produtos Olavo de Carvalho

Assembléia Legislativa do Rio de Janeiro concede Medalha Tiradentes a Olavo de Carvalho. Aqui.

segunda-feira, 13 de fevereiro de 2012

Ministra pró-aborto vai a ONU defender postura pró-aborto do governo de Dilma

 

JULIO SEVERO

13 de fevereiro de 2012

Reportagem do Estadão revela postura pró-aborto do governo de Dilma. Enquanto povo brasileiro está distraído com Carnaval, ministra de Dilma estará na ONU para tratar da preocupação do governo de Dilma com projetos que atrapalham o avanço da legalização do aborto no Brasil

Julio Severo

Enquanto a população do Brasil está distraída com o Carnaval, o jornal Estado de S. Paulo revela que “a nova ministra da Secretaria de Política para as Mulheres, Eleonora Menicucci, vai estrear a posição de governo sobre o aborto na Organização das Nações Unidas, em Genebra. Ela participa nesta semana de reunião do Comitê da ONU para a Eliminação da Discriminação contra as Mulheres. Em documento preparatório para o encontro, enviado semana passada pela antecessora, Iriny Lopes, o governo admite ser contra projetos como o Estatuto do Nascituro, que quer proibir o aborto inclusive nas situações atualmente permitidas pela lei”.

Eleonora Menicucci, a mulher ideal da ONU e do governo de Dilma: distante do conservadorismo, bissexual, terrorista comunista, pró-aborto

O Estadão diz: “Empossada na sexta-feira, Eleonora estará à frente de uma delegação formada por senadoras, deputadas e ativistas femininas que irá à Suíça passar por uma espécie de sabatina sobre a situação da mulher no Brasil e as políticas do governo para combater a discriminação de gênero. Na posse, a presidente Dilma Rousseff afirmou que a ministra seguirá as diretrizes de governo — Eleonora é defensora histórica do direito ao aborto”.

A reportagem do Estadão consegue desnudar a repulsa do governo de Dilma aos projetos que procuram defender os bebês em gestações contra ameaças de assassinato. O Estadão diz: “No documento já enviado à ONU, a Secretaria de Políticas para as Mulheres diz acompanhar com atenção propostas em debate no Congresso que querem restringir o direito ao aborto no País. Além do Estatuto do Nascituro, são citados outros três projetos de lei análogos”.

Além disso, o artigo do Estadão mostra a preocupação da ONU com o Estatuto do Nascituro, que visa proteger os bebês em gestação, e a resposta determinada do governo de Dilma de deter e obstruir todas as leis contrárias ao assassinato de bebês em gestação. O Estadão revela: “O governo diz à ONU, em resposta a um questionamento feito pelo comitê em setembro, que monitora o trâmite do Estatuto do Nascituro e trabalha para que o projeto não chegue ao plenário da Câmara. ‘É fundamental que o projeto seja rejeitado na Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ)’, diz o documento. O projeto também quer barrar pesquisas com células-tronco”.

O Estadão diz que o maior obstáculo à luta do governo de Dilma para avançar o aborto é a reação conservadora nas eleições: “A secretaria afirma no documento que barrar a aprovação do Estatuto do Nascituro é um ‘desafio’, dada a tendência ‘mais conservadora’ da atual formação do Congresso. O texto cita que o tema do aborto teve ‘ampla repercussão’ nas eleições presidenciais de 2010”.

No final, a matéria do Estadão diz que a ONU está preocupada com o fato de que a sociedade brasileira não está abandonando com rapidez posturas conservadoras sobre o papel dos homens e das mulheres: “Os questionamentos da ONU não se limitam ao aborto e atingem áreas como educação, salário e discriminação de gênero. Ao relatar ações para garantir maior participação política das mulheres, o governo alerta: ‘O afastamento de posições conservadoras em relação ao papel de homens e mulheres em nossa sociedade está ocorrendo mais lentamente do que se desejaria’”.

Na visão da ONU, a sociedade ideal estaria espelhada na própria vida da nova ministra da Dilma, Eleonora Menicucci. Com passado de terrorista comunista, já fez matou dois de seus filhos em gestação e hoje é ardorosa defensora do aborto. Além disso, sua opção sexual é fazer sexo com homens e mulheres. É uma feminista que, para regozijo da ONU, se afastou muito rápido de posturas conservadoras, se é que ela já teve essas posturas algum dia.

A ONU e o governo de Dilma só descansarão quando tiverem conseguido modelar as mulheres do Brasil na imagem e semelhança de Eleonora: assassinas dos próprios filhos, bissexuais, apaixonadas pelo socialismo e defensoras do assassinato de bebês em gestação.

Mesmo longe do Brasil, apelo para a bancada evangélica para que abandone o feriado de Carnaval para tratar desses assuntos urgentes. Se a ministra de Dilma pode perder seu feriado para ir a ONU defender a posição pró-aborto do governo de Dilma, por que a bancada evangélica não pode perder o feriado para defender a vida?

Além disso, apelo para que a bancada evangélica adote três posturas importantes e urgentes:

1. Exigir a imediata exoneração da ministra abortista.

2. Estabelecer oposição sistemática ao governo pró-aborto de Dilma, que mente para a população do Brasil sobre suas intenções assassinas.

3. Trabalhar para revogar todos os tratados da ONU que colocam em risco a vida, a família e a soberania do Brasil.

Apelo também para a população do Brasil, para que pressione a bancada evangélica e outros congressistas a adotar as três recomendações que apresento.

Envie este email a todos os seus amigos e a líderes que podem agir nessas questões.

O único modo de enfrentar um governo mentiroso e radicalmente pró-aborto é adotar posturas radicais a favor da vida e da família.

Fonte: www.juliosevero.com

Dilma Rousseff atiça fogo na questão do aborto ao nomear ministra pró-aborto

Evangélicos antiaborto e anti-sodomia na mira do PT

Internet, aborto e religião afetaram as eleições presidenciais

Brasileiros rejeitam em maioria esmagadora agenda abortista e homossexualista do partido do governo

A ousadia dos bonofóbicos e o silêncio dos malofóbicos

Vozes que clamam nos desertos do Brasil: não desistam!

Nenhum comentário:

wibiya widget

A teoria marxista da “ideologia de classe” não tem pé nem cabeça. Ou a ideologia do sujeito traduz necessariamente os interesses da classe a que ele pertence, ou ele está livre para tornar-se advogado de alguma outra classe. Na primeira hipótese, jamais surgiria um comunista entre os burgueses e Karl Marx jamais teria sido Karl Marx. Na segunda, não há vínculo entre a ideologia e a condição social do indivíduo e não há portanto ideologia de classe: há apenas a ideologia pessoal que cada um atribui à classe com que simpatiza, construindo depois, por mera inversão dessa fantasia, a suposta ideologia da classe adversária. Uma teoria que pode ser demolida em sete linhas não vale cinco, mas com base nela já se matou tanta gente, já se destruiu tanto patrimônio da humanidade e sobretudo já se gastou tanto dinheiro em subsídios universitários, que é preciso continuar a fingir que se acredita nela, para não admitir o vexame. Olavo de Carvalho, íntegra aqui.
"Para conseguir sua maturidade o homem necessita de um certo equilíbrio entre estas três coisas: talento, educação e experiência." (De civ Dei 11,25)
Cuidado com seus pensamentos: eles se transformam em palavras. Cuidado com suas palavras: elas se transformam em ação. Cuidado com suas ações: elas se transformam em hábitos. Cuidado com seus atos: eles moldam seu caráter.
Cuidado com seu caráter: ele controla seu destino.
A perversão da retórica, que falseia a lógica e os fatos para vencer o adversário em luta desleal, denomina-se erística. Se a retórica apenas simplifica e embeleza os argumentos para torná-los atraentes, a erística vai além: embeleza com falsos atrativos a falta de argumentos.
‎"O que me leva ao conservadorismo é a pesquisa e a investigação da realidade. Como eu não gosto de futebol, não gosto de pagode, não gosto de axé music, não gosto de carnaval, não fumo maconha e considero o PT ilegal, posso dizer que não me considero brasileiro - ao contrário da maioria desses estúpidos que conheço, que afirma ter orgulho disso". (José Octavio Dettmann)
" Platão já observava que a degradação moral da sociedade não chega ao seu ponto mais abjeto quando as virtudes desapareceram do cenário público, mas quando a própria capacidade de concebê-las se extinguiu nas almas da geração mais nova. " Citação de Olavo de Carvalho em "Virtudes nacionais".