Loja OLAVETTES: produtos Olavo de Carvalho

Assembléia Legislativa do Rio de Janeiro concede Medalha Tiradentes a Olavo de Carvalho. Aqui.

segunda-feira, 13 de fevereiro de 2012

Governo da BA admite ter priorizado pontos turísticos na greve

 

TERRA

13 de fevereiro de 2012 12h32 atualizado às 12h41
Maurício Barbosa admitiu que o Estado priorizou locais e vias de grande circulação. Foto: Fernando Borges/Terra

Maurício Barbosa admitiu que o Estado priorizou locais e vias de grande circulação
Foto: Fernando Borges/Terra

HERMANO FREITAS
Direto de Salvador

O governo baiano admitiu na manhã desta segunda-feira o que a estatística de homicídios mostra: o policiamento existente durante a greve em Salvador priorizou pontos turísticos em detrimento das periferias. A grande maioria dos mais de 180 homicídios dolosos registrados pela Polícia Civil nos 12 dias de greve da Polícia Militar aconteceu em bairros da periferia e poucos foram os mortos na região central. Como boa parte dos mortos sofreu tiros na cabeça, a hipótese mais provável é de que tenham sido executados por grupos de extermínio. "Temos que avaliar que tínhamos um efetivo 'x', priorizamos locais e vias de grande circulação, pontos turísticos, estações de transbordo e hospitais, então tivemos que fazer opções, não tínhamos como cobrir a cidade de Salvador e a Bahia como um todo", disse o secretário de Segurança Pública, Maurício Barbosa.

O governador da Bahia, Jaques Wagner (PT) destacou ainda que foi necessário manter um grande efetivo da Força Nacional de Segurança, que reforçou o policiamento em Salvador, para cercar a Assembleia Legislativa, ocupada por policiais em greve. "Gastamos 600, 700 homens para a Assembleia. Temos que observar que tivemos um crescimento proporcional (da violência) em relação ao que já tínhamos."

As considerações foram colocadas em entrevista coletiva para divulgar o balanço da greve, que durou 12 dias e deixou pelo menos 180 mortes, de acordo com as estimativas oficiais. Segundo a Secretaria de Turismo, não houve nenhum cancelamento de pacote turístico no setor de hotelaria, mas os restaurantes, bares e casas de entretenimento tiveram perdas e devem ter o benefício de parcelamento de tributos.

Wagner declarou ter ficado "doído" com o que se passou e disse ainda que o sofrimento imposto à população foi "desnecessário". Ele declarou que o Comando da Polícia Militar deve "atuar internamente" para evitar que a situação ocorra de novo no futuro. Ele negou que haja perspectiva de troca de comando na corporação, como era especulado. "Estou satisfeito (com o fim da greve). Feliz não dá para ficar", disse.

A greve

A greve dos policiais militares da Bahia teve início na noite de 31 de janeiro, quando os grevistas acamparam em frente à Assembleia Legislativa em Salvador e posteriormente ocuparam o prédio. Cerca de 10 mil PMs, de um contingente de 32 mil homens, aderiram ao movimento. A paralisação provocou uma onda de violência na capital e região metropolitana, dobrando o número de homicídios em comparação ao mesmo período do ano passado. Além de provocar o cancelamento de shows e eventos, a ausência de policiamento nas ruas também motivou saques e arrombamentos. Centenas de carros foram roubados e dezenas de lojas destruídas.

A paralisação, que terminou 12 dias depois, servia para reivindicar a criação de um plano de carreira para a categoria, além do pagamento da Unidade Real de Valor (URV), adicionais de periculosidade e insalubridade, gratificação de atividade policial incorporada ao soldo, anistia, revisão do valor do auxílio-alimentação e melhores condições de trabalho, entre outros pontos.

O Executivo estadual solicitou o apoio do governo federal para reforçar a segurança. Cerca de 3 mil homens das Forças Armadas e da Força Nacional de Segurança foram enviados a Salvador. Dois dias após o início da greve, a Justiça baiana concedeu uma liminar decretando sua ilegalidade e determinando que a Associação de Policiais e Bombeiros e de seus Familiares do Estado da Bahia (Aspra) suspendesse o movimento. Doze mandados de prisão contra líderes grevistas foram expedidos, sendo que quatro foram cumpridos.

Em 9 de fevereiro, Marco Prisco, um dos líderes do movimento grevista, foi um dos presos, após a desocupação do prédio da Assembleia. A decisão ocorreu um dia depois da divulgação de gravações telefônicas que mostravam chefes da paralisação planejando ações de vandalismo na capital baiana. Um dos trechos mostrava Prisco ordenando a um homem que ele bloqueasse uma rodovia federal.

Nenhum comentário:

wibiya widget

A teoria marxista da “ideologia de classe” não tem pé nem cabeça. Ou a ideologia do sujeito traduz necessariamente os interesses da classe a que ele pertence, ou ele está livre para tornar-se advogado de alguma outra classe. Na primeira hipótese, jamais surgiria um comunista entre os burgueses e Karl Marx jamais teria sido Karl Marx. Na segunda, não há vínculo entre a ideologia e a condição social do indivíduo e não há portanto ideologia de classe: há apenas a ideologia pessoal que cada um atribui à classe com que simpatiza, construindo depois, por mera inversão dessa fantasia, a suposta ideologia da classe adversária. Uma teoria que pode ser demolida em sete linhas não vale cinco, mas com base nela já se matou tanta gente, já se destruiu tanto patrimônio da humanidade e sobretudo já se gastou tanto dinheiro em subsídios universitários, que é preciso continuar a fingir que se acredita nela, para não admitir o vexame. Olavo de Carvalho, íntegra aqui.
"Para conseguir sua maturidade o homem necessita de um certo equilíbrio entre estas três coisas: talento, educação e experiência." (De civ Dei 11,25)
Cuidado com seus pensamentos: eles se transformam em palavras. Cuidado com suas palavras: elas se transformam em ação. Cuidado com suas ações: elas se transformam em hábitos. Cuidado com seus atos: eles moldam seu caráter.
Cuidado com seu caráter: ele controla seu destino.
A perversão da retórica, que falseia a lógica e os fatos para vencer o adversário em luta desleal, denomina-se erística. Se a retórica apenas simplifica e embeleza os argumentos para torná-los atraentes, a erística vai além: embeleza com falsos atrativos a falta de argumentos.
‎"O que me leva ao conservadorismo é a pesquisa e a investigação da realidade. Como eu não gosto de futebol, não gosto de pagode, não gosto de axé music, não gosto de carnaval, não fumo maconha e considero o PT ilegal, posso dizer que não me considero brasileiro - ao contrário da maioria desses estúpidos que conheço, que afirma ter orgulho disso". (José Octavio Dettmann)
" Platão já observava que a degradação moral da sociedade não chega ao seu ponto mais abjeto quando as virtudes desapareceram do cenário público, mas quando a própria capacidade de concebê-las se extinguiu nas almas da geração mais nova. " Citação de Olavo de Carvalho em "Virtudes nacionais".