Loja OLAVETTES: produtos Olavo de Carvalho

Assembléia Legislativa do Rio de Janeiro concede Medalha Tiradentes a Olavo de Carvalho. Aqui.

quarta-feira, 22 de fevereiro de 2012

Fiscalização e Barbárie

 

FIDES ET RATIO

Por franciscorazzo, fevereiro 21, 2012 1:24 pm

Não é fácil encontrar critérios para delimitar o nível de civilidade de uma determinada cultura. Beiramos sempre o limite entre barbárie e civilização sem saber exatamente qual a linha de fronteira que separa uma da outra. No entanto, é assustador perceber que diante de uma tragédia moral o único centro das preocupações gira em torno da cobrança de fiscalização e não do dever.

Assisti a uma reportagem sobre o acidente em Bertioga, uma garotinha de três anos de idade foi morta por um jet ski pilotado por um menino de quatorze anos, que me deixou preocupado. Não que eu tenha um critério claro para dizer o que é ou não barbárie, ou o que é ou não civilização, mas uma coisa é certa, quando a preocupação dos jornalistas é apenas, e tão somente, saber se havia ou não fiscalização suficiente na praia, há um vestígio da barbaridade por aí.

A questão é simples: devemos agir moralmente só, e somente só, na presença de um agente fiscalizador? Isso me lembra uma passagem do Miguilim do Guimarães Rosa. Miguilim pergunta para o irmão Dito: “‘Dito, como é que a gente sabe certo como não deve de fazer alguma coisa, mesmo os outros não estando vendo?’”. Responde, Dito, o irmãozinho mais velho de maneira kantiana: “‘- A gente sabe, pronto.’” O que é certo ou errado a gente sabe e pronto!

Não obstante, qualquer malandro brasileiro certamente responderia: “uai, não existe certo e errado quando não tem ninguém vendo”. Pois é, eis a consciência moral do herói brasileiro. Tirar proveito ao máximo de qualquer situação quando não tem ninguém olhando.

Recentemente li um comentariozinho, mesmo que medíocre, num post de uma adolescente no facebook muito revelador, “é preciso viver, independente do que é certo ou errado, viva!”. Poderia ter sido tirado de qualquer manual de auto-ajuda. Voltando a pergunta: o que é certo, afinal, quando não há ninguém olhando?

Se importar demais com isso é sinal de que você não tirará proveito da vida! Tirar proveito da vida não tem nada a ver com individualismo e capitalismo, antes de os críticos apontarem pra isso, mas com um tipo muito bizarro de modelo ético, na verdade, uma distorção de um modelo ético, é uma forma de hedonismo irresponsável, ou melhor, um hedonismo desleixado.

Basicamente existem três modelos de moralidade: uma ética do dever, uma ética da virtude e uma ética consequencialista. Se investigarmos qualquer um desses modelos de moralidade filosóficas, por mais antagônicos que eles sejam, nenhum, por incrível que pareça, aposta na presença de uma instância fiscalizadora para nos dizer aquilo que devemos ou não fazer.

A ética do dever diz que o certo ou errado está na intenção da ação, a ética do consequencialista, por outro lado, diz que o valor moral da ação está no resultado da ação. E uma ética da virtude busca definir, de forma mais genérica, a excelência humana como um todo.

Em todos esses grandes modelos éticos a presença de um agente fiscalizador externo à consciência individual é verdadeiramente um sinal de barbárie. Ninguém age moralmente porque tem alguém mandando e ameaçando punir. É na ausência de fiscalização externa que somos verdadeiramente livres para fazer aquilo que é certo.

No Brasil se estimula mais a presença do Estado fiscalizando do que o aprendizado de lidar com a própria liberdade. Se eu tivesse de escolher um critério para delinear a fronteira entre civilização e barbárie seria esse: é na barbárie que se cobra mais fiscalização e não consciência individual de dever. Ou seja, civilização começa no silêncio interior da própria consciência de indivíduo livre tomando decisões diante de outros indivíduos livres.

Nenhum comentário:

wibiya widget

A teoria marxista da “ideologia de classe” não tem pé nem cabeça. Ou a ideologia do sujeito traduz necessariamente os interesses da classe a que ele pertence, ou ele está livre para tornar-se advogado de alguma outra classe. Na primeira hipótese, jamais surgiria um comunista entre os burgueses e Karl Marx jamais teria sido Karl Marx. Na segunda, não há vínculo entre a ideologia e a condição social do indivíduo e não há portanto ideologia de classe: há apenas a ideologia pessoal que cada um atribui à classe com que simpatiza, construindo depois, por mera inversão dessa fantasia, a suposta ideologia da classe adversária. Uma teoria que pode ser demolida em sete linhas não vale cinco, mas com base nela já se matou tanta gente, já se destruiu tanto patrimônio da humanidade e sobretudo já se gastou tanto dinheiro em subsídios universitários, que é preciso continuar a fingir que se acredita nela, para não admitir o vexame. Olavo de Carvalho, íntegra aqui.
"Para conseguir sua maturidade o homem necessita de um certo equilíbrio entre estas três coisas: talento, educação e experiência." (De civ Dei 11,25)
Cuidado com seus pensamentos: eles se transformam em palavras. Cuidado com suas palavras: elas se transformam em ação. Cuidado com suas ações: elas se transformam em hábitos. Cuidado com seus atos: eles moldam seu caráter.
Cuidado com seu caráter: ele controla seu destino.
A perversão da retórica, que falseia a lógica e os fatos para vencer o adversário em luta desleal, denomina-se erística. Se a retórica apenas simplifica e embeleza os argumentos para torná-los atraentes, a erística vai além: embeleza com falsos atrativos a falta de argumentos.
‎"O que me leva ao conservadorismo é a pesquisa e a investigação da realidade. Como eu não gosto de futebol, não gosto de pagode, não gosto de axé music, não gosto de carnaval, não fumo maconha e considero o PT ilegal, posso dizer que não me considero brasileiro - ao contrário da maioria desses estúpidos que conheço, que afirma ter orgulho disso". (José Octavio Dettmann)
" Platão já observava que a degradação moral da sociedade não chega ao seu ponto mais abjeto quando as virtudes desapareceram do cenário público, mas quando a própria capacidade de concebê-las se extinguiu nas almas da geração mais nova. " Citação de Olavo de Carvalho em "Virtudes nacionais".