Loja OLAVETTES: produtos Olavo de Carvalho

Assembléia Legislativa do Rio de Janeiro concede Medalha Tiradentes a Olavo de Carvalho. Aqui.

quarta-feira, 22 de fevereiro de 2012

Dicas de leitura: Os Intelectuais, de Paul Johnson

 

BLOG DO DEMÓSTENES

enviado por Equipe 17.02.2012 / 12:02
em Literatura

Euler de França Belém

“Os Intelectuais” (Imago, 417 páginas, tradução de André Luiz Barros da Silva), do historiador e ensaísta inglês Paul Johnson, é, sem dúvida, um livro excepcional, polêmico e devastador “contra” os intelectuais. Johnson demole a reputação de vários “pensadores” e escritores, sem, no entanto, perder de vista a importância de algumas de suas obras. Mas destaca que a maioria pregou a violência e ofereceu conselhos à humanidade, com o objetivo de salvá-la, de colocá-la no “caminho reto”, mas não seguia tais orientações na vida cotidiana. Intelectuais falam em nome do povo, mas poucos o conhecem bem.

O filósofo e ensaísta José Guilherme Merquior tem razão ao dizer que o intelectual patropi nunca entendeu o povão porque no lugar de examinar um fato, que o povão é bravo reformista, conclui que é revolucionário. Noutras palavras, confunde-se “desejo” com “realidade”.

Johnson começa seu estudo com o suíço Jean-Jacques Rousseau — que considera o primeiro dos intelectuais modernos, um arquétipo para eles e, em vários aspectos, o mais influente entre todos — e depois examina, entre outros, Karl Marx, Ibsen, Tolstói, Hemingway, Brecht, Bertrand Russell, Sartre, Edmund Wilson, George Orwell, Norman Mailer.

Rousseau, na opinião de John­son, “foi o primeiro a combinar as características do Prometeu moderno: a afirmação do direito de rejeitar, em sua totalidade, a ordem vigente; a confiança na capacidade de reformar tal ordem a partir da base de acordo com as regras que ele próprio estabeleceu; a crença de que essa reforma podia ser feita por meio de um processo político; e, não menos importante, o reconhecimento do papel valiosíssimo desempenhado na conduta humana pelo instinto, pela intuição e pela impulsividade”.

Johnson sustenta que as “Confissões” (há pelos menos duas edições no Brasil) de Rousseau, embora interessantes, mentem muito. Até os 30 anos, Rousseau levou uma vida fracassada, passando por 13 empregos. A fama só começou aos 39 anos. Depois de 1750 (ele nasceu em 1712 e morreu em 1778, antes da Revolução Francesa), tornou-se, como escritor profissional, protegido da aristocracia.

“O Contrato Social” (há boas traduções da L&P e da Companhia das Letras/Penguin) não provocou impacto ao ser publicado. “Quase não foi lido até sua morte e só foi reeditado em 1791. Uma pesquisa feita em 500 livrarias da época mostrou que apenas uma delas possuía uma cópia do livro”, revela Johnson. O cul­to a Rous­se­au começou com seu romance “A Nova Heloísa” e com “E­mí­lio”.

Rousseau parecia ser o Carlos Lacerda francês. Transformava seus amigos de ontem em ferozes inimigos. Chorão, quando lhe convinha, era profundamente egoísta. Gostava de dizer: “Nasci para ser o maior amigo que jamais existiu”. O que Johnson revela de interessante é que, mesmo Rousseau dizendo amar a humanidade com intensidade, na convivência cotidiana não dava certo com as pessoas. Para ser diferente, o filósofo gostava de usar roupas largas e era cabeludo. “Ele foi o primeiro dos intelectuais cabeludos”.

Habilidoso na arte da autopromoção, Rousseau foi o primeiro a perceber que “a maioria das pessoas resiste às ideias, principalmente às novas. No entanto, é fascinada por personagens. Ter uma personalidade extravagante é uma maneira de dourar a pílula e induzir o público a voltar sua atenção para obras que tratam de ideias”. Como muitos intelectuais, tinha mania de perseguição. E isto é, de algum modo, sintoma de que a pessoa se julga muito importante, o centro do universo no qual circula.

Uma das coisas que Rousseau (foto) mais gostava de fazer era perambular pelas ruas da periferia exibindo as nádegas para as mulheres. “O prazer descomunal que eu sentia expondo-as diante de seus olhos não pode ser descrito”, confessou. Embora escrevesse sobre como educar as crianças, não gostava de crianças e abandonou seus cinco filhos na porta do Hospital de Crianças Encontradas.

Mais grave é a análise que Johnson faz da filosofia política de Rousseau. “O Estado de Rousseau não é apenas autoritário: é também totalitário, uma vez que regula todos os aspectos da atividade humana, inclusive o pensamento. Sub­me­tido ao contrato social, o indivíduo seria o­brigado a ‘se alienar de si, justamente com todos os seus direitos, em prol do conjunto da comunidade’.” Uma análise nada ortodoxa, pois o filósofo é sempre apresentado como democrata e o intelectual que pensou o social. Para avaliá-lo de modo mais adequado deve-se ler “Jean-Jacques Rousseau: A Trans­parência e o Obstáculo” (Com­panhia das Letras, 424 páginas, tradução de Maria Lucia Machado), de Jean Starobinski.

Fontes omitidas

O ensaio mais devastador talvez seja “Karl Marx: gritando maldições colossais”. Depois de ler Johnson, que demole Marx, é preciso consultar pelo menos algumas biografias e estudos mais equilibrados. “Karl Marx — Vida e Pensamento” (Vozes, 525 páginas, tradução de Jaime A. Clasen), de David McLellan, e “Karl Marx” (Record, 404 páginas), de Francis Wheen, são competentes e críticas mas evitam o sensacionalismo típico de Johnson. Uma biografia pequena, mas interessante, é “Karl Marx — O Apanhador de Sinais” (Brasiliense, 126 páginas), de Horácio González. Para entender a grande história de parceria e amizade entre dois intelectuais é fundamental ler “Engel — Comunista de Casaca” (Record, 462 páginas, tradução de Dinah Azevedo), de Tristam Hunt. São biografias simpáticas a Marx, mas esclarecedoras e com certeza ajudarão o leitor a entendê-lo de modo mais nuançado. Johnson às vezes parece exagerado e discutível, não raro é tremendamente idiossincrático, o que, quando se trata de um historiador gabaritado, não é positivo. Vale a pena ler “O Marxismo de Marx” (Arx, 647 páginas), de Raymond Aron. O filósofo francês escreve um livro crítico mas ponderado a respeito do marxismo.

A seguir, não vou discutir, pró ou contra, as “teses” de Johnson. Vou expor suas curiosas interpretações. O taurino Karl Marx nasceu a 5 de maio de 1818 numa família judia e morreu em 1883. Era e é considerado um erudito. “Mas num sentido mais profundo, ele não era realmente um ‘scholar’, nem tampouco um cientista. Não estava interessado em achar a verdade, mas em proclamá-la. Havia três elementos constitutivos em Marx: o poeta, o jornalista e o moralista. Cada um deles tinha sua importância. Juntos, e combinados com sua enorme vontade, tornavam-no um escritor e um profeta formidável. Mas não havia nada de científico nele: na verdade, em todos esses aspectos ele era anticientífico.”

Trecho de um poema de Marx: “Nós estamos acorrentados, alquebrados, vazios, ame­dron­ta­dos­/Eternamente acorrentados a esse bloco marmóreo do ser...”. John­son afirma que Marx gostava de citar o verso de Mefistófeles, do “Fausto” de Goethe: “Tudo o que existe merece perecer”. “Utilizou-o, por exemplo, em seu pequeno tratado contra Napoleão III, ‘O 18 Brumário’, e ele manteve por toda a sua vida essa visão apocalíptica de uma catástrofe imensa e pronta para se abater sobre o sistema vigente: estava na poesia, foi o pano de fundo do ‘Manifesto Comunista’ de 1848 e foi o clímax do próprio ‘O Capital’.” A leitura de “Missa Negra — Religião Apocalíptica e o Fim das Utopias” (Record, 353 páginas, tradução de Clóvis Marques), do filósofo John Gray, ajuda a entender o marxismo como uma espécie de pregação secular tão apocalíptica quanto algumas religiões. A análise é mais competente e complexa do que a de Johnson, que é mais militante.

Paul Johnson

Marx, na acepção de Johnson, “é um escritor escatológico do começo ao fim. É digno de nota, por exemplo, que no projeto original de ‘A Ideologia Alemã’ (1845-1846) ele tenha incluído uma passagem que lembra bastante seus poemas a respeito do ‘Dia do Juízo’: ‘Quando os reflexos das cidades em chamas forem vistos nos céus (...) e quando as harmonias celestiais consistirem das melodias da ‘Marseillaise’ e da ‘Carmagnole’, tendo como acompanhamento canhões rimbombantes, enquanto a guilhotina marca o tempo e as massas inflamadas gritam ‘Ça ira, ça ira’, e a autoconsciência está pendurada no poste de luz’”.

O que importa reter, segundo Johnson, “é que a ideia de Marx de um ‘dia do juízo’, tanto em sua lúgubre versão poética quanto, por fim, em sua versão econômica, representa uma visão artística, e não científica. Essa ideia sempre esteve na cabeça de Marx e, como um economista político, ele trabalhou a partir dela mas voltado para a frente, partindo de dados examinados objetivamente. E é claro que é o elemento poético que empresta à projeção histórica de Marx seu efeito dramático e de fascinação sobre os leitores radicais, que querem acreditar que a morte e o julgamento do capitalismo se aproximam. O talento poético se manifesta de forma intermitente nas páginas de Marx, criando algumas passagens memoráveis. No sentido de que ele intuía mais do que deduzia ou calculava, Marx até o fim continuou sendo um poeta”.

Mas, além de poeta, rico em formular imagens, Marx foi jornalista. E dos bons, reconhece Johnson. “Marx achava não apenas difícil mas impossível planejar um livro grande — quanto mais escrevê-lo: mesmo ‘O Capital’ se constitui de uma série de ensaios aglutinados sem nenhuma ordem real. Porém, ele se sentia bem escrevendo textos curtos, penetrantes, reações opinativas no momento em que os acontecimentos se davam.”

Para Johnson, o maior talento de Marx era como jornalista polêmico. “Utilizava epigramas e aforismos de forma brilhante, embora muitos não tivessem sido inventados por ele. Marat criou as frases: ‘Os trabalhadores não possuem uma pátria’ e ‘Os proletários não têm nada a perder a não ser suas correntes’. A famosa piada da burguesia usando brasões feudais em seus traseiros se deve a Heine, assim como ‘A religião é o ópio do povo’. Louis Blanc inventou: ‘De cada um, segundo sua capacidade, para cada um, segundo sua necessidade’. De Karl Schapper, tirou: ‘Trabalhadores de todo o mundo, uni-vos!’, e de Blanqui: ‘A ditadura do proletariado’.”

Johnson defende a tese de que “foi o olho jornalístico de Marx para o texto lacônico, para a frase incisiva que, mais do que qualquer outra coisa, salvou do esquecimento toda a sua filosofia no último quarto do século 19”.

O crítico examina também o Marx moralista: “Do mesmo modo que a origem da filosofia marxista se assenta numa visão poética, a elaboração dessa filosofia foi um exercício de retórica acadêmica. Entretanto, o que Marx necessitava para pôr em movimento sua maquinaria intelectual era de um estímulo moral. Ele o encontrou, em seu ódio à usura e aos agiotas, um sentimento violento relacionado diretamente com suas próprias dificuldades financeiras”. Parte dos discípulos de Marx era antissemita — como ele próprio, mesmo sendo de origem judaica.

Ódio aos trabalhadores

Como pesquisador, Marx não gostava de examinar problemas reais diretamente. “O tipo de informação que não interessava a Marx era aquele a ser obtido a partir do exame, com seus próprios olhos e ouvidos, do mundo e das pessoas que nele vivem. Ele era, total e incorrigivelmente, restrito a sua escrivaninha. (...) Marx escreveu sobre finanças e indústria durante toda a vida mas só conheceu duas pessoas ligadas aos sistemas financeiro e industrial, seu tio Lion Philips e Engels. (...) Mas Marx recusou um convite de Engels para acompanhá-lo na visita a uma fiação, e, até onde sabemos, Marx nunca esteve, durante toda a sua vida, numa manufatura, numa fábrica, numa mina ou em qualquer outro local de trabalho industrial.”

Marx não gostava de trabalhadores, segundo Johnson. “Marx sempre preferiu se ligar a intelectuais da classe média como ele próprio. Quando ele e Engels fundaram a Liga Comunista e, de novo, quando formaram a Internacional, Marx se certificou de que os socialistas que eram da classe trabalhadora fossem afastados de qualquer posto de influência e fizessem parte de comissões meramente como proletários regidos por um estatuto. A razão para isso era, em parte, um esnobismo intelectual e, em parte, porque os homens com experiência real das condições numa fábrica costumavam ser contra o uso da violência e a favor das melhorias simples e progressivas: eles eram inteligentemente incrédulos quanto à revolução apocalíptica que ele afirmava ser não apenas necessária mas inevitável.”

Para entender o Marx supostamente cientista, Johnson cita o filósofo Karl Jaspers: “O estilo dos escritos de Marx não é o do investigador (...). Ele não cita exemplos ou expõe fatos que se opõem a sua teoria mas apenas aqueles que provam ou confirmam aquilo que ele considera como a verdade última. Toda a sua abordagem é no sentido da justificação, não da investigação, mas trata-se de uma justificação de algo declarado como sendo a perfeita verdade com a convicção não do cientista, mas do crente”.

Assim, frisa Johnson, os dados não eram centrais ao trabalho de Marx. “Eles estavam subordinados, reforçando conclusões que já tinham sido alcançadas independentemente deles. ‘O Capital’ deveria ser visto como um exercício de filosofia moralista. Trata-se de um sermão gigantesco e no mais das vezes incoerente, um ataque ao sistema industrial e ao princípio de propriedade feito por um homem que tinha criado um ódio intenso, embora essencialmente irracional, em relação a ambos. Curiosamente, essa obra não tem um argumento central que atue como um princípio organizador. (...) O único volume que ele chegou a escrever não possui de fato nenhuma forma coerente; trata-se de uma série de exposições isoladas arrumadas numa ordem arbitrária”.

O leitor que acha ‘O Capital’ chato, confuso e enfadonho não é estulto, julga Johnson. “Engels reescreveu um quarto do texto. O resultado são 600 páginas enfadonhas e confusas sobre a circulação do capital e principalmente sobre as teorias econômicas da década de 1860.” O que parece complexo é, no dizer de Johnson, pura confusão razoavelmente amarrada. “O Capital” seria uma construção com pilastras não muito sólidas.

Por que Marx não concluiu “O Capital”? Não foi porque morreu em 1883, sugere Johnson. “Na verdade, não houve nada que tivesse impedido Marx de terminar, ele próprio, o livro, a não ser falta de força de vontade e a consciência de que ele simplesmente não tinha coerência”. “O Capital” é, na versão de Johnson, uma profecia, não uma análise científica.

“Toda a primeira parte da análise científica de Marx acerca das condições de trabalho no capitalismo em meados da década de 1860 se baseia numa única obra, o livro de Engels ‘A Situação da Classe Operária na Inglaterra’, publicado 20 anos antes.” As fontes de Engels, explica Johnson, estavam defasadas. “Ao apresentar os números estatísticos relativos aos partos de crianças ilegítimas, os quais eram atribuídos aos turnos da noite, deixou de declarar que eles datavam de 1801. Citou um trabalho sobre as condições sanitárias em Edinburgh sem deixar que seus leitores soubessem que tinha sido escrito em 1818. Em várias ocasiões, omitiu dados e acontecimentos que invalidavam completamente suas informações obsoletas.”

O implacável Johnson afirma que Marx era, como intelectual, desonesto, falsificador de estatísticas e plagiário.

Escreve Johnson: “Com o objetivo de tirar a classe operária inglesa de sua apatia e, por conseguinte, ansioso para provar que as normas existentes estavam perdendo o valor (isso num discurso inaugural para a Associação Internacional de Trabalhadores, em 1864)”, Marx “falsificou intencionalmente uma frase do discurso de 1863 de W. E. Gladstone relacionado com os gastos orçamentários. O que Gladstone disse, ao comentar o aumento da riqueza nacional, foi: ‘Eu deveria encarar quase com apreensão e com pesar esse aumento inebriante da riqueza e do poder se achasse que tal aumento se limitou à classe que está em condições mais favoráveis’. Porém, acrescentou ele, ‘a situação geral dos trabalhadores britânicos, como temos a felicidade de saber, melhorou ao longo dos últimos 20 anos num grau que, como sabemos, é extraordinário, e que devemos declarar como sendo sem paralelo na história de qualquer país em qualquer época’”.

Em seu discurso, Marx atribuiu a Gladstone as seguintes palavras: “Esse aumento inebriante de riqueza e poder se limita inteiramente às classes proprietárias”. Na mesma época, a citação incorreta de Marx foi apontada. Mas ele a reproduziu em “O Capital”. Quando criticaram a falha no livrão, Marx ficou uma fera, desconversou e nada corrigiu. É a velha história stalinista (Marx foi stalinista antes de Stálin): quem aponta falhas de esquerdistas vira logo reacionário. Johnson acrescenta que “Marx falsificou citações de Adam Smith”.

Na década de 1880, dois estudiosos de Cambridge descobriram falhas graves em “O Capital”. Verificando as referências de Marx, ficaram alarmados com as discrepâncias entre o original e a citação. “Num dos grupos de erros, descobriram que as citações tinham sido, amiúde, ‘abreviadas por conveniência por meio da omissão de passagens que provavelmente iriam contra as conclusões que Marx tentava provar’. Um outro grupo ‘consiste em reunir citações fictícias a partir de afirmações isoladas que constam de diferentes partes de um relatório. Essas afirmações eram então apresentadas entre aspas ao leitor como se fossem citadas diretamente dos próprios livros azuis’.” Os estudiosos concluíram se tratar de “um descaso quase criminoso no uso de fontes autorizadas”.

Euler de França Belém é editor do Jornal Opção.

Nenhum comentário:

wibiya widget

A teoria marxista da “ideologia de classe” não tem pé nem cabeça. Ou a ideologia do sujeito traduz necessariamente os interesses da classe a que ele pertence, ou ele está livre para tornar-se advogado de alguma outra classe. Na primeira hipótese, jamais surgiria um comunista entre os burgueses e Karl Marx jamais teria sido Karl Marx. Na segunda, não há vínculo entre a ideologia e a condição social do indivíduo e não há portanto ideologia de classe: há apenas a ideologia pessoal que cada um atribui à classe com que simpatiza, construindo depois, por mera inversão dessa fantasia, a suposta ideologia da classe adversária. Uma teoria que pode ser demolida em sete linhas não vale cinco, mas com base nela já se matou tanta gente, já se destruiu tanto patrimônio da humanidade e sobretudo já se gastou tanto dinheiro em subsídios universitários, que é preciso continuar a fingir que se acredita nela, para não admitir o vexame. Olavo de Carvalho, íntegra aqui.
"Para conseguir sua maturidade o homem necessita de um certo equilíbrio entre estas três coisas: talento, educação e experiência." (De civ Dei 11,25)
Cuidado com seus pensamentos: eles se transformam em palavras. Cuidado com suas palavras: elas se transformam em ação. Cuidado com suas ações: elas se transformam em hábitos. Cuidado com seus atos: eles moldam seu caráter.
Cuidado com seu caráter: ele controla seu destino.
A perversão da retórica, que falseia a lógica e os fatos para vencer o adversário em luta desleal, denomina-se erística. Se a retórica apenas simplifica e embeleza os argumentos para torná-los atraentes, a erística vai além: embeleza com falsos atrativos a falta de argumentos.
‎"O que me leva ao conservadorismo é a pesquisa e a investigação da realidade. Como eu não gosto de futebol, não gosto de pagode, não gosto de axé music, não gosto de carnaval, não fumo maconha e considero o PT ilegal, posso dizer que não me considero brasileiro - ao contrário da maioria desses estúpidos que conheço, que afirma ter orgulho disso". (José Octavio Dettmann)
" Platão já observava que a degradação moral da sociedade não chega ao seu ponto mais abjeto quando as virtudes desapareceram do cenário público, mas quando a própria capacidade de concebê-las se extinguiu nas almas da geração mais nova. " Citação de Olavo de Carvalho em "Virtudes nacionais".