Loja OLAVETTES: produtos Olavo de Carvalho

Assembléia Legislativa do Rio de Janeiro concede Medalha Tiradentes a Olavo de Carvalho. Aqui.

quarta-feira, 22 de fevereiro de 2012

As mulheres traídas do PT: idiotas, úteis no início, indignados no futuro

 

LUCIANO AYAN

Já mostrei esse vídeo no passado. Nele, o agente desertor da KBG, Yuri Bezmenov, afirma que os idiotas úteis são os primeiros a irem para o paredão quando o poder é conseguido.

Isso por que os idiotas úteis são sempre IDEALISTAS, mas não sabem que sua vida é servir de massa de manobra SOMENTE para que os líderes esquerdistas cheguem ao poder de forma totalitária. Ao chegarem lá, os idiotas úteis não são mais… úteis.

Como a crença idealista é aceita como fé cega, eles CONFIAM no homem (crença no homem) e em seus líderes.

O resultado é que quando notam que os líderes (ao conseguirem o poder) ignoram as demandas pelas quais simularam lutar, os idiotas úteis ficam indignadíssimos, pois estes estavam lutando DE VERDADE pelas demandas.

Na comunidade “Karl Marx Brasil”, existem alguns exemplos de marxistas revoltados com o PT, como neste tópico.

O forista @PTnunk+ Gilvan Hj e sempre comentou a notícia: “PT reprime com mão de ferro grevistas na Bahia”. Ele afirmou: “Esse é o jeito PT de governar: arrocho salarial, repressão, perseguição e asssassinatos suspeitos na gestão petista. Tudo isso acontecendo aqui na Bahia e a então presidenta apoiando. E agora cadê os petistas para ir contra essa pratica fascista?”

Não quero entrar no mérito, pois eu fui contra a greve da PM. (Mas também contra o fato do governador petista ter apoiado a greve em 1992 e 2001)

O que estou estudando aqui é a indignação dele e dando um exemplo de por que Bezmenov estava corretíssimo.

O mesmo forista disse: ” O Partido de traidores deve ser exterminado dessa terra”.

Sadicamente, eu perguntei: “Mas o PT não é o partido mais gramsciano que existe? Eles já chegaram ao poder. Agora, estão curtindo.”.

Ana Clara afirmou: “O meu voto , nunca mais! E dessa vez é verdade”.

Eu, de novo: “Se já chegaram lá e aparelharam o estado, não precisam mais de você…”

Ana Clara tentou racionalizar sua crença, ao menos a crença que teve em uma época: “Bem Luciano, já saí do PT a algum tempo, só votei nele por que o outro era ainda pior, mas agora se igualaram na defesa da burguesia, então c´est fini…”

Eu: “Não sei não, mas muitos aqui já tiveram fé no PT. Você nunca teve? Qual sua alternativa?”

Sem resposta.

Note que este não foi um debate de desafio, mas de entendimento dos fatos. Posso dizer que em determinados momentos até tive pena da Ana Clara e do @PTnunk+ Gilvan Hj e sempre, mas não posso deixar de criticar aquilo que tenho sempre apontado: a crença dos esquerdistas é essencialmente perigosa, pois eles sempre servem como massa de manobra para pessoas mais espertas. (Ver texto Beneficiários e funcionais)

O termo “idiota útil” também não deve ser encarado como ofensivo por eles, que terão acesso a esse texto, pois assim como esse pessoal eu JÁ FUI petista (há muito, mas muito tempo, nos tempos de Collor), hoje não sou mais. Portanto, eu também já fui idiota útil.

O mais importante é estudar o fenômeno do idiota útil e por que, se um dia o PT conseguir o poder totalitário (e caso conseguir, é por causa desses idiotas úteis, se não hoje mas pelo seu apoio no passado, nos tempos em que ainda tinham fé), esses estão na lista com prioridade número 1 para extermínio.

Isso ocorre pelo fato de que o idealista irá se sentir “traído” pelos novos totalitários. Mas eles não percebem que a crença de esquerda é feita EXATAMENTE para isso: dar poder aos mais espertos. Após conseguirem o poder, os idiotas úteis que os ajudaram podem até se converter em beneficiários, ou “amigos do poder”. Ou então continuam como funcionais. Mas, como funcionais, ficarão lamentando pelos cantos igual mulher traída.

E todos sabem como mulheres que se sentem traídas são perigosas. (Assim como um homem que se sente traído é  perigoso)

A reação natural desse grupo no poder será mandar para o paredão as mulheres traídas.

Nenhum comentário:

wibiya widget

A teoria marxista da “ideologia de classe” não tem pé nem cabeça. Ou a ideologia do sujeito traduz necessariamente os interesses da classe a que ele pertence, ou ele está livre para tornar-se advogado de alguma outra classe. Na primeira hipótese, jamais surgiria um comunista entre os burgueses e Karl Marx jamais teria sido Karl Marx. Na segunda, não há vínculo entre a ideologia e a condição social do indivíduo e não há portanto ideologia de classe: há apenas a ideologia pessoal que cada um atribui à classe com que simpatiza, construindo depois, por mera inversão dessa fantasia, a suposta ideologia da classe adversária. Uma teoria que pode ser demolida em sete linhas não vale cinco, mas com base nela já se matou tanta gente, já se destruiu tanto patrimônio da humanidade e sobretudo já se gastou tanto dinheiro em subsídios universitários, que é preciso continuar a fingir que se acredita nela, para não admitir o vexame. Olavo de Carvalho, íntegra aqui.
"Para conseguir sua maturidade o homem necessita de um certo equilíbrio entre estas três coisas: talento, educação e experiência." (De civ Dei 11,25)
Cuidado com seus pensamentos: eles se transformam em palavras. Cuidado com suas palavras: elas se transformam em ação. Cuidado com suas ações: elas se transformam em hábitos. Cuidado com seus atos: eles moldam seu caráter.
Cuidado com seu caráter: ele controla seu destino.
A perversão da retórica, que falseia a lógica e os fatos para vencer o adversário em luta desleal, denomina-se erística. Se a retórica apenas simplifica e embeleza os argumentos para torná-los atraentes, a erística vai além: embeleza com falsos atrativos a falta de argumentos.
‎"O que me leva ao conservadorismo é a pesquisa e a investigação da realidade. Como eu não gosto de futebol, não gosto de pagode, não gosto de axé music, não gosto de carnaval, não fumo maconha e considero o PT ilegal, posso dizer que não me considero brasileiro - ao contrário da maioria desses estúpidos que conheço, que afirma ter orgulho disso". (José Octavio Dettmann)
" Platão já observava que a degradação moral da sociedade não chega ao seu ponto mais abjeto quando as virtudes desapareceram do cenário público, mas quando a própria capacidade de concebê-las se extinguiu nas almas da geração mais nova. " Citação de Olavo de Carvalho em "Virtudes nacionais".