Loja OLAVETTES: produtos Olavo de Carvalho

Assembléia Legislativa do Rio de Janeiro concede Medalha Tiradentes a Olavo de Carvalho. Aqui.

quarta-feira, 16 de novembro de 2011

FMI adverte contra vulnerabilidade do sistema financeiro da China

UOL ECONOMIA
15/11/2011 - 11h51

France Presse

PEQUIM, China, 15 Nov 2011 (AFP) -O sistema financeiro da China está exposto a créditos ruins, à explosão do crédito não regulado e à queda dos preços do setor imobiliário, advertiu nesta terça-feira o Fundo Monetário Internacional, que defendeu reformas importantes.

Em seu primeiro informe dedicado à avaliação do sistema financeiro da segunda maior economia mundial, o FMI considera que a grande interferência governamental na atividade dos bancos dificulta a aplicação de mecanismos de mercado e a boa governança.

O rápido crescimento dos empréstimos desde a crise financeira mundial de 2008 provocou um endividamento em massa de diversas empresas e governos locais, que podem tornar-se insolventes se a desaceleração do crescimento e a queda dos preços do setor imobiliário prosseguir, considera o Fundo.

O setor financeiro continua sendo, por enquanto, "robusto em conjunto", mas devem ser corrigidas uma má alocação dos empréstimos e outras deficiências, segundo Jonathan Fiechter, vice-diretor do departamento de Mercados de Capitais e Monetários do FMI.

"A estrutura existente permite uma economia e níveis de liquidez altos, mas também cria o risco de uma má alocação de capital e de uma formação de bolhas", particularmente no setor imobiliário, segundo Fiechter, que dirigiu a equipe responsável pelo programa de avaliação do setor financeiro chinês.

A China é um dos 25 "países de importância sistêmica", que concordou com avaliações obrigatórias ao menos uma vez a cada cinco anos, ressalta o FMI, que publica uma lista de 29 recomendações para melhorar o sistema financeiro do país.

O FMI convoca as autoridades chinesas a permitir que os bancos emprestem com base em critérios comerciais, e não políticos, ou a utilizar instrumentos de mercado, como as taxas de juros, para regular o volume de empréstimos, em vez de medidas administrativas.

Nenhum comentário:

wibiya widget

A teoria marxista da “ideologia de classe” não tem pé nem cabeça. Ou a ideologia do sujeito traduz necessariamente os interesses da classe a que ele pertence, ou ele está livre para tornar-se advogado de alguma outra classe. Na primeira hipótese, jamais surgiria um comunista entre os burgueses e Karl Marx jamais teria sido Karl Marx. Na segunda, não há vínculo entre a ideologia e a condição social do indivíduo e não há portanto ideologia de classe: há apenas a ideologia pessoal que cada um atribui à classe com que simpatiza, construindo depois, por mera inversão dessa fantasia, a suposta ideologia da classe adversária. Uma teoria que pode ser demolida em sete linhas não vale cinco, mas com base nela já se matou tanta gente, já se destruiu tanto patrimônio da humanidade e sobretudo já se gastou tanto dinheiro em subsídios universitários, que é preciso continuar a fingir que se acredita nela, para não admitir o vexame. Olavo de Carvalho, íntegra aqui.
"Para conseguir sua maturidade o homem necessita de um certo equilíbrio entre estas três coisas: talento, educação e experiência." (De civ Dei 11,25)
Cuidado com seus pensamentos: eles se transformam em palavras. Cuidado com suas palavras: elas se transformam em ação. Cuidado com suas ações: elas se transformam em hábitos. Cuidado com seus atos: eles moldam seu caráter.
Cuidado com seu caráter: ele controla seu destino.
A perversão da retórica, que falseia a lógica e os fatos para vencer o adversário em luta desleal, denomina-se erística. Se a retórica apenas simplifica e embeleza os argumentos para torná-los atraentes, a erística vai além: embeleza com falsos atrativos a falta de argumentos.
‎"O que me leva ao conservadorismo é a pesquisa e a investigação da realidade. Como eu não gosto de futebol, não gosto de pagode, não gosto de axé music, não gosto de carnaval, não fumo maconha e considero o PT ilegal, posso dizer que não me considero brasileiro - ao contrário da maioria desses estúpidos que conheço, que afirma ter orgulho disso". (José Octavio Dettmann)
" Platão já observava que a degradação moral da sociedade não chega ao seu ponto mais abjeto quando as virtudes desapareceram do cenário público, mas quando a própria capacidade de concebê-las se extinguiu nas almas da geração mais nova. " Citação de Olavo de Carvalho em "Virtudes nacionais".