Loja OLAVETTES: produtos Olavo de Carvalho

Assembléia Legislativa do Rio de Janeiro concede Medalha Tiradentes a Olavo de Carvalho. Aqui.

quarta-feira, 12 de setembro de 2012

Quem foi o primeiro esquerdista?

 

JULIO SEVERO

11 de setembro de 2012

 

Exclusivo: Joseph Farah viaja na história para explicar a origem da ideologia


Joseph Farah

Rush Limbaugh fez uma pergunta na semana passada — e me fez ficar pensando.

“Quem foi o primeiro esquerdista?” (Assista aqui ao vídeo legendado em português sobre o mesmo assunto: http://youtu.be/11UfHDwHSHI)

Rush sugeriu que temos de encontrá-lo e enforcá-lo, mas que é provavelmente tarde demais para isso. Será mesmo?

Então, quem foi o primeiro esquerdista?

Podemos examinar a pergunta de um ângulo estritamente histórico e propor respostas: Quando o termo “esquerdista” como posição política foi inventado?

Se partirmos daí, começamos em 1789, na época da Revolução Francesa. Membros da Assembleia Nacional se dividiram, de acordo com suas lealdades à esquerda e à direita do presidente.

Certo deputado, o Barão de Gauville, explicou como aconteceu: “Começamos a reconhecer uns aos outros: aqueles que eram leais ao Cristianismo e ao rei assumiam posições à direita da cadeira, a fim de evitar os gritos, os palavrões e as indecências que reinavam livres na facção à esquerda”.

Mas isso é semântica simples.

Talvez essa fosse a primeira vez que os rótulos ideológicos reais tivessem sido usados, mas a cosmovisão por trás deles começou muito tempo antes.

Pode ter começado na Torre de Babel, quando Nimrod, cujo nome era muito apropriado para ele, decidiu que era mais sábio do que Deus e empreendeu juntar o mundo inteiro num só lugar em desafio aos desejos do Deus todo-poderoso. No fundo, essa não é a essência da filosofia “esquerdista”? Essa não era a essência do espírito da Revolução Francesa e daqueles que seguiram seus passos em todas as épocas e lugares?

Contudo, quanto mais penso nisso, mas me sinto persuadido de que o primeiro esquerdista veio bem antes da história de Gênesis 10.

Penso que antecede um evento descrito em Isaías 14. Havia um anjo chamado Lúcifer. Ele era a criação mais bela e gloriosa de Deus. Mas ele era orgulhoso. E não estava satisfeito com sua posição na vida.

Por isso, ele declarou em seu coração, não muito diferente de Nimrod e seus seguidores: “Eu subirei ao céu, acima das estrelas de Deus exaltarei o meu trono, e no monte da congregação me assentarei, aos lados do norte. Subirei sobre as alturas das nuvens, e serei semelhante ao Altíssimo” (ACF).

Se há uma coisa que os esquerdistas têm em comum é acreditarem que não precisam de Deus. Eles não acreditam em Seus mandamentos. Eles têm um desejo em comum de derrubar o reino dEle.

Aliás, acho que não sou a primeira pessoa a sugerir que Lúcifer, ou Satanás (como ele se tornou conhecido depois de ser expulso do céu e ser atirado à Terra), foi o primeiro esquerdista.

De fato, um dos esquerdistas mais famosos do século 20, cujas ideias podem estar alcançando o apogeu de sua eficácia hoje, disse praticamente isso em 1972.

Esse foi o infame Saul Alinsky. Na edição de capa mole do livro “Rules for Radicals” (Normas para os Radicais), publicado em 1972 por Vintage Books e que serviu de inspiração para Barack Obama e Hillary Clinton e muitos outros que governam hoje os EUA, Alinsky escreveu o seguinte: “Para que não nos esqueçamos de pelo menos um reconhecimento irônico da primeira e mais radical de nossas lendas, mitologias e história (e quem é que sabe onde a mitologia termina e começa a história — ou qual é qual), o primeiro radical da história humana, o qual se rebelou contra a classe dominante e fez uma rebelião tão eficaz que pelo menos ganhou seu próprio reino — Lúcifer”.

Isso é o que, aliás, a maioria dos esquerdistas quer — afinal de contas. Eles querem seu próprio reino. Eles não querem parte alguma com o Reino de Deus. Eles buscam maquinar seu próprio reino e governá-lo. Essa é a essência dos esquerdistas — quer eles admitam ou não.

Alinsky pelo menos admitiu.

Não concordo com Alinsky em muitas coisas, mas nesse ponto ele está certo.

Lúcifer foi o primeiro radical, o primeiro rebelde, o primeiro inimigo da ordem de Deus. E até mesmo um esquerdista de pedigree como Alinsky concordou que eles são da mesma espécie.

Qual é a definição do termo “sinistro”? O dicionário nos diz que significa “ameaçador ou pressagiando o mal, danos ou problemas — algo ruim, maligno, vil ou pervertido”. No entanto, uma definição alternativa em todo dicionário de inglês que você checar define deste jeito: “de ou no lado esquerdo”.

Pode ser tarde demais para enforcar Alinsky. Pode ser tarde demais para enforcar os agitadores da Revolução Francesa. Pode ser tarde demais para enforcar Karl Marx ou Josef Stalin ou Adolf Hitler (outro esquerdista, a propósito) ou V.I. Lenin ou Mao.

Mas Satanás foi derrotado. Seus dias estão contados. Seu destino está selado.

Portanto, lembre-se disso quando você ficar deprimido com a loucura política e cultural que você vê ao redor de você.

Traduzido por Julio Severo do artigo de WND: Who was the first leftist?

Fonte: www.juliosevero.com

Por que não sou socialista

Obama fracassou em avançar o esquerdismo nos EUA?

Esquerda continua incomodada com neopentecostais

Genizah, Ultimato e Rio de Paz: Alianças que atrapalham o testemunho cristão e ajudam o socialismo

Silas Malafaia, Avon e a esquerda gayzista

Se eu fosse esquerdista…

A face do ódio

Sobre a Revolução Francesa

Esquerdistas são clinicamente loucos

Nenhum comentário:

wibiya widget

A teoria marxista da “ideologia de classe” não tem pé nem cabeça. Ou a ideologia do sujeito traduz necessariamente os interesses da classe a que ele pertence, ou ele está livre para tornar-se advogado de alguma outra classe. Na primeira hipótese, jamais surgiria um comunista entre os burgueses e Karl Marx jamais teria sido Karl Marx. Na segunda, não há vínculo entre a ideologia e a condição social do indivíduo e não há portanto ideologia de classe: há apenas a ideologia pessoal que cada um atribui à classe com que simpatiza, construindo depois, por mera inversão dessa fantasia, a suposta ideologia da classe adversária. Uma teoria que pode ser demolida em sete linhas não vale cinco, mas com base nela já se matou tanta gente, já se destruiu tanto patrimônio da humanidade e sobretudo já se gastou tanto dinheiro em subsídios universitários, que é preciso continuar a fingir que se acredita nela, para não admitir o vexame. Olavo de Carvalho, íntegra aqui.
"Para conseguir sua maturidade o homem necessita de um certo equilíbrio entre estas três coisas: talento, educação e experiência." (De civ Dei 11,25)
Cuidado com seus pensamentos: eles se transformam em palavras. Cuidado com suas palavras: elas se transformam em ação. Cuidado com suas ações: elas se transformam em hábitos. Cuidado com seus atos: eles moldam seu caráter.
Cuidado com seu caráter: ele controla seu destino.
A perversão da retórica, que falseia a lógica e os fatos para vencer o adversário em luta desleal, denomina-se erística. Se a retórica apenas simplifica e embeleza os argumentos para torná-los atraentes, a erística vai além: embeleza com falsos atrativos a falta de argumentos.
‎"O que me leva ao conservadorismo é a pesquisa e a investigação da realidade. Como eu não gosto de futebol, não gosto de pagode, não gosto de axé music, não gosto de carnaval, não fumo maconha e considero o PT ilegal, posso dizer que não me considero brasileiro - ao contrário da maioria desses estúpidos que conheço, que afirma ter orgulho disso". (José Octavio Dettmann)
" Platão já observava que a degradação moral da sociedade não chega ao seu ponto mais abjeto quando as virtudes desapareceram do cenário público, mas quando a própria capacidade de concebê-las se extinguiu nas almas da geração mais nova. " Citação de Olavo de Carvalho em "Virtudes nacionais".