Loja OLAVETTES: produtos Olavo de Carvalho

Assembléia Legislativa do Rio de Janeiro concede Medalha Tiradentes a Olavo de Carvalho. Aqui.

quarta-feira, 19 de setembro de 2012

A campanha antitabagista e o estado totalitário

 

MÍDIA SEM MÁSCARA

ESCRITO POR RODRIGO SIAS | 05 SETEMBRO 2012
ARTIGOS - DIREITO

Por que uma campanha antitabagista tão virulenta e um “oba-oba” com relação às drogas em nível mundial? Incoerência global ou movimento calculado?

Sempre detestei a fumaça de cigarro, talvez por ter sido asmático quando criança. Por isso, comemorei a lei anti-fumo em lugares fechados.

Hoje, no entanto, vejo que a batalha contra o tabagismo foi longe demais: tornou-se uma campanha alarmista, moralista e mentirosa.

Por que o Estado me obriga a ver imagens terríveis de pessoas agonizando ou de fetos mal formados cada vez que eu, um não-fumante, entro em uma banca de jornal? Como afirmar em propagandas oficiais espalhadas em cartazes de aeroporto que o cigarro mata mais que as guerras?

A insanidade da coisa é tanta que enquanto o STF libera a “marcha da maconha”, clara apologia ao crime, a ANVISA quer acabar com a indústria do tabaco, que gera milhares de empregos. E lamentavelmente, o Brasil não é exceção. Ao contrário, seguimos totalmente a tendência mundial.

Os possíveis malefícios do cigarro já são mais do que notórios e públicos. O Estado acha que uma pessoa com 16 anos já pode votar e com 18 anos já alcança a maioridade penal e está apta a dirigir um carro. Por que, então, com a mesma idade, ela não teria capacidade de escolher se fuma ou não?

O tabaco é a “droga” mais inofensiva para a sociedade porque não altera o livre arbítrio de quem a consome, ao contrário de outras substâncias, entre elas, o próprio álcool. E, por isso, deve ser tolerado.

O Estado, só deve interferir na decisão individual quando um individuo desrespeita a liberdade alheia.

Em um lugar fechado, me parece adequado haver restrições ao fumo. Mas e dentro do próprio carro? Sim, há leis que querem proibir um fumante acender um cigarro dentro de seu próprio veículo. Em Nova York, já é proibido fumar na calçada.

Um certo doutor alarmista com “cara de doente” afirma que o cigarro vicia mais que o crack e, por isso, seria mais perigoso. É claro que este argumento não tem a menor lógica.

Em uma sociedade livre, cada indivíduo possui o livre-arbítrio para escolher se “viciar” no que quiser, mesmo que isso não seja saudável, desde que permitido pela legislação em vigor.

No ano do centenário de seu nascimento, muitos lembraram que o saudoso Nelson Rodrigues, viciado em jogos de futebol, foi impedido pela família de assistir as partidas decisivas do seu time de coração, o Fluminense, para preservar a sua saúde.

Eu, assim como Nelson, sou viciado em jogos de futebol e “tricolor de coração”. Quando o Flu ganha, fico eufórico. Quando perde, fico deprimido, às vezes doente.

Será que pensando no meu bem-estar - e de milhões de brasileiros -, o governo irá elaborar uma legislação para me impedir de ver “jogos para cardíacos” só porque sei a escalação do time campeão carioca de 1995? Ou por que sei a ordem dos pênaltis batidos na final da Copa de 1994?

Será que vão proibir que se frequente a praia sem protetor solar? Vão fiscalizar se as pessoas lavam a mão antes de comer? Será que vão proibir a batata frita? Bem, em Nova York já se gasta dinheiro alertando os consumidores dos “males” da batata frita. A proibição parece uma questão de tempo. Parece absurdo?

Pois é, mas estamos falando de uma prefeitura que encontrou uma brecha na legislação para, através de decretos municipais, limitar o direito de cidadãos de portarem armas, algo garantido pela 2ª emenda da Constituição dos EUA. Claro, a limitação do porte de armas é pensada para “proteger” o cidadão.

Cito as leis nova-iorquinas porque são o exemplo mais bem acabado de legislações que interferem indevidamente na vida dos cidadãos com a desculpa de protegê-los de si mesmos.

Esse fenômeno está sendo chamado de “Estado Babá” ou no original, o “Nanny State”, pelos conservadores americanos.

A história ensina que o “Estado babá”, quanto mais se fortalece, se transforma no “Estado totalitário”.

E todos os Estados totalitários que já tivemos notícia “cuidaram” da saúde de sua população, baseando-se na crença de que o cidadão “pertence” ao Estado.

A convicção autoritária sobre o cidadão encontra eco desde a cidade-estado grega Esparta, mas dois personagens do século XX ilustram bem essa lição.

Sir Winston Churchill, o grande estadista britânico, era conhecido por ser um fumante compulsivo, em especial, de charutos cubanos.

Quando Hitler se vangloriou de não beber e não fumar tornando o povo alemão mais “saudável” com seu exemplo, o líder britânico replicou: "Fumo e bebo sem moderação. Em compensação, durmo tranquilo todas noites com a minha consciência."

Em sua última estadia em Cuba, no ano de 1946, o ainda primeiro-ministro da Grã-Bretanha visitou a fábrica Romeo y Julieta que, após o fato, deu o nome de seus charutos longos de "Churchill". Era uma homenagem para aquele que se tornou um excepcional “garoto-propaganda” da marca cubana. 

Churchill viveu “apenas” 90 anos - dos quais 65 anos como fumante-, o suficiente para ganhar o prêmio Nobel de Literatura e liderar o mundo livre contra o regime nazista, que proibia o fumo, mas que prescrevia morfina, anfetaminas e cocaína para que seus soldados lutassem melhor.

O dia 29 de agosto tornou-se o ‘Dia Nacional de Combate ao Fumo’. É o dia perfeito para a seguinte reflexão: por que uma campanha antitabagista tão virulenta e um “oba-oba” com relação às drogas em nível mundial? Incoerência global ou movimento calculado?

Quem, como eu, tem por hábito acompanhar as matérias do Mídia sem Máscara, já sabe a resposta.

Rodrigo Sias é economista.

Artigo publicado originalmente no jornal Brasil Econômico, edição n. 754, ano 4, do dia 29 de agosto de 2012, em uma versão reduzida. Foi adaptado pelo autor para publicação no Mídia sem Máscara.

A versão original está disponível aqui.

Um comentário:

Gilberto Strapazon (Sw. Prabuddha) disse...

Saudações! Gostei do seu blog, vou procurar acompanhar mais.
A respeito do tabaco, concordo plenamente com o autor.

Inteligência não se mede pelo preconceito.
As campanhas tem sido cada vez mais veículos de propaganda totalitária, racista e preconceituosa. O que irão proibir amanhã? Que outras desculpas virão para a perseguirem as pessoas?

Acho gozado como colocam afirmações de quem é mais burro baseado numa sandice incrivelmente discriminatoria e tendenciosa destas. Algumas das pessoas mais burras que conheço são universitários, geração saúde, não fumam, praticam esportes, mas são de uma alienação, falta de cultura e de senso social absurdos.

Dificilmente podemos fazer tudo que seja ecologicamente correto, é praticamente impossivel, mas o pouco que fizermos, deve ser com consciência.

Pesso permissão deixar o link para alguns artigos, que foram comentários muito objetivos que fiz em diversas publicações que literalmente jogaram a decência no chão. Numa destas, chegaram ao ponto de declararem que criminosos condenados seriam melhores que fumantes.

http://gilbertostrapazon.blogspot.com.br/search/label/Fumo

wibiya widget

A teoria marxista da “ideologia de classe” não tem pé nem cabeça. Ou a ideologia do sujeito traduz necessariamente os interesses da classe a que ele pertence, ou ele está livre para tornar-se advogado de alguma outra classe. Na primeira hipótese, jamais surgiria um comunista entre os burgueses e Karl Marx jamais teria sido Karl Marx. Na segunda, não há vínculo entre a ideologia e a condição social do indivíduo e não há portanto ideologia de classe: há apenas a ideologia pessoal que cada um atribui à classe com que simpatiza, construindo depois, por mera inversão dessa fantasia, a suposta ideologia da classe adversária. Uma teoria que pode ser demolida em sete linhas não vale cinco, mas com base nela já se matou tanta gente, já se destruiu tanto patrimônio da humanidade e sobretudo já se gastou tanto dinheiro em subsídios universitários, que é preciso continuar a fingir que se acredita nela, para não admitir o vexame. Olavo de Carvalho, íntegra aqui.
"Para conseguir sua maturidade o homem necessita de um certo equilíbrio entre estas três coisas: talento, educação e experiência." (De civ Dei 11,25)
Cuidado com seus pensamentos: eles se transformam em palavras. Cuidado com suas palavras: elas se transformam em ação. Cuidado com suas ações: elas se transformam em hábitos. Cuidado com seus atos: eles moldam seu caráter.
Cuidado com seu caráter: ele controla seu destino.
A perversão da retórica, que falseia a lógica e os fatos para vencer o adversário em luta desleal, denomina-se erística. Se a retórica apenas simplifica e embeleza os argumentos para torná-los atraentes, a erística vai além: embeleza com falsos atrativos a falta de argumentos.
‎"O que me leva ao conservadorismo é a pesquisa e a investigação da realidade. Como eu não gosto de futebol, não gosto de pagode, não gosto de axé music, não gosto de carnaval, não fumo maconha e considero o PT ilegal, posso dizer que não me considero brasileiro - ao contrário da maioria desses estúpidos que conheço, que afirma ter orgulho disso". (José Octavio Dettmann)
" Platão já observava que a degradação moral da sociedade não chega ao seu ponto mais abjeto quando as virtudes desapareceram do cenário público, mas quando a própria capacidade de concebê-las se extinguiu nas almas da geração mais nova. " Citação de Olavo de Carvalho em "Virtudes nacionais".