Loja OLAVETTES: produtos Olavo de Carvalho

Assembléia Legislativa do Rio de Janeiro concede Medalha Tiradentes a Olavo de Carvalho. Aqui.

terça-feira, 24 de abril de 2012

NÃO AO RECONHECIMENTO ARTÍSTICO DO LIXO CULTURAL

 

O COYOTE

Esta entrada foi publicada em 24/04/2012, in COLABORADORES. Crie um bookmark para o link permanente. Deixe um comentário

POR RENAN II DE PINHEIRO E PEREIRA

Recentemente, começou a se disseminar com muita força uma nova tendência no meio cultural, que é o “reconhecimento acadêmico da cultura do lixo”. Conforme seus defensores, embora rejeitados pela crítica, “artistas” como a banda Calypso, sertanejos como Zezé Di Camargo e Luciano, funkeiros como o DJ Marlboro e cantores bregas como Reginaldo Rossi seriam os verdadeiros representantes da cultura popular, tanto que vendem muito, mostrando a revolta do povo contra os “modelos pré-estabelecidos” do que é e do que não é bom. Dessa forma, deveriam ter o reconhecimento que merecem, ao invés de se dar atenção a artistas com vendagem limitada, como é o caso da maior parte dos “medalhões da MPB”, que no entanto têm destaque e reconhecimento por causa de “críticos ressentidos e engessados”. Tanto que essa mentalidade já começou a ser defendida por “intelectuais de primeira hora”, ávidos por idéias supostamente revolucionárias, gerou um livro sobre a contribuição da chamada “música brega” para a luta contra a ditadura militar, “Eu não sou cachorro não”, e existem projetos semelhantes sobre os bailes funk. Aliás, quanto a esses, muitos já dizem que eles são “a maneira que os favelados encontraram para se expressar”, e por isso seriam dignos de interesse e até incentivo, tanto que até já foram declarados “Patrimônio Cultural do Rio de Janeiro”. E acabou de estrear uma novela que tem entre seus personagens principais cantores de forró e sertanejo universitário. Negar a importância dessas tendências musicais ou mesmo seu direito de serem reconhecidas como manifestações culturais seria nada além de preconceito e elitismo, provavelmente com resquícios do antigo relacionamento “Casa Grande e Senzala”. Mas será que essas teses se baseiam em premissas corretas?

Para começar, é muito romântico imaginar esse quadro de artistas talentosos e perseverantes aclamados pelo público e duramente perseguidos pelos críticos até alcançarem um reconhecimento tardio. Até porque é a história real de muitas “lendas” que hoje são consideradas de grande importância para a cultura brasileira ou mundial, como Villa Lobos, Tom Jobim e Elvis Presley, mas foram objeto de controvérsia no início da carreira, e esse arquétipo moderno foi apropriado com sucesso pelo filme “Os dois filhos de Francisco (que merece ser assistido independentemente dos méritos artísticos dos biografados)”. Contudo, não se aplica a todos: a maior parte dos cantores populares “da antiga”, como Carmen Miranda, Francisco Alves e Orlando Silva, tiveram origem humilde e foram o que se podia chamar de “fenômenos de massa”, o que também se deu com muitos artistas internacionais, como Carlos Gardel e Frank Sinatra, ambos filhos de imigrantes pobres (Gardel era até filho ilegítimo) e amados como heróis em seus países ou fora deles. É bom lembrar que quando Sinatra fez seu show no Brasil, em 1980, mais de 150.000 pessoas foram assisti-lo e a reação calorosa da platéia à sua apresentação, que não pode ser creditada aos seus fãs “intelectualizados”, geralmente mais sóbrios, chegou a comovê-lo. Com certeza ele tinha fãs mais humildes que estimularam aquele entusiasmo. E mesmo estilos considerados “extremamente elitistas”, como é o caso do jazz e o tango, não tem sua origem em berço de ouro, e sim nas senzalas onde os negros eram levados como escravos para o Novo Mundo, sendo que o segundo se “encontrou” nos cabarés de Buenos Aires. Na verdade, na maioria desses casos não foi a classe alta que criou um estilo musical novo e o impôs ao “povão”, e sim “o povão” que criou um estilo musical que acabou consolidando sua importância cultural depois de ser “descoberto pela elite”. É verdade que houve exceções, como as chamadas “músicas eruditas”, mas, caso se pesquise com afinco, sempre se descobrirão nelas elementos da cultura popular dos países de seus compositores, prática em que Villa Lobos foi mestre.

Além disso, ao contrário dos grandes vendedores de discos de hoje, que não fazem mais do que reproduzir até o desgaste e “adaptar” até o limite da blasfêmia fórmulas já consagradas, como o “forrock” faz com o forró-pé-de-serra (a ponto de nos festivais em homenagem a Luiz Gonzaga promovido em Exu, sua terra natal, quase não haver representantes do verdadeiro forró nordestino), a música sertaneja faz com a música caipira, o funk, o rap e o hip-hop com a música negra e a música brega faz com a legítima música romântica para ter “sucesso certo”, os compositores e os cantores “de antigamente” acreditavam no valor de seu trabalho. E vale recordar que, enquanto “a velha guarda” privilegiava a qualidade das letras e a beleza das imagens que elas descreviam, gerando pérolas como “Chão de Estrelas”, “Arranha-Céu”, “Risque”, “Asa Branca”, “Triste Partida”, “Assum Preto”, “El dia que me quieras”, “Por una cabeza”, “Mi Buenos Aires querido”, “Over the rainbow”, “Night and day” e “Cheek to cheek”, que são poesia da mais sublime, os novos “gênios” que essa tendência celebra só chegam, no máximo, a “Vou passar cerol na mão”, “2345678 – Tá na hora de molhar o biscoito” e “Meu marido tomou a pílula do amor e a perna é que ficou dura”, que além de não serem nada criativos primam pela vulgaridade. Sendo assim, ao invés de se “dar valor” ao que o “povão” supostamente gosta dever-se-ia dar espaço igual a todas as tendências musicais e ver o que acontece.

E nesse sentido se pode perguntar: mas não é errado impor ao público uma determinada tendência cultural, quando há espaço para todos? De fato, não se deve exigir que todas as pessoas gostem de um estilo específico, e em tese há liberdade para todos terem o seu espaço, seja enquanto artistas ou enquanto público consumidor. Contudo, a realidade do mercado é bem cruel, e só dá destaque aos profissionais que se enquadram no perfil desejado pela maioria. Assim, cantores de estilo popularesco alcançam cada vez mais público, fama e espaço, enquanto artistas de outras tendências têm dificuldade de encontrar mercado, gravadoras e espaço de divulgação nas rádios e na TV, por mais talentosos que sejam (ou às vezes por causa disso). Sem mencionar que, além da vulgaridade e pobreza dessas letras, existem casos, como na musica funk, em que ela faz apologia da violência, do tráfico e da vulgarização da mulher, mas poucos se atrevem a falar abertamente sobre isso porque é “politicamente incorreto”. Do mesmo modo que não poucos se posicionam contra projetos culturais que pretendem ensinar crianças carentes a tocarem musicas eruditas, que lhes possibilitariam ampliarem seus horizontes ou seguirem uma carreira sólida, porque isso as “descaracterizaria culturalmente”.

Por último, seria interessante relembrar uma piada que circulou na Internet há algum tempo com uma hipotética prova de Vestibular de meados do Século XXI, onde se analisa o conteúdo e as influências literárias e semânticas da letra da “Egüinha Pocotó”. Independentemente de preconceitos, reflitam sobre o assunto e perguntem a si mesmos se é o tipo de prova que gostariam que seus filhos e netos fizessem no futuro. Sim, pois é o que acontecerá se deixarmos que essa tendência prevaleça.

Dessa forma, gostaria de usar esse espaço para começar uma campanha entre a população para que a mídia e as gravadoras divulguem mais música de qualidade e combater esse intelectualismo barato e vazio, dizendo NÃO AO RECONHECIMENTO ARTÍSTICO DO LIXO CULTURAL.

Nenhum comentário:

wibiya widget

A teoria marxista da “ideologia de classe” não tem pé nem cabeça. Ou a ideologia do sujeito traduz necessariamente os interesses da classe a que ele pertence, ou ele está livre para tornar-se advogado de alguma outra classe. Na primeira hipótese, jamais surgiria um comunista entre os burgueses e Karl Marx jamais teria sido Karl Marx. Na segunda, não há vínculo entre a ideologia e a condição social do indivíduo e não há portanto ideologia de classe: há apenas a ideologia pessoal que cada um atribui à classe com que simpatiza, construindo depois, por mera inversão dessa fantasia, a suposta ideologia da classe adversária. Uma teoria que pode ser demolida em sete linhas não vale cinco, mas com base nela já se matou tanta gente, já se destruiu tanto patrimônio da humanidade e sobretudo já se gastou tanto dinheiro em subsídios universitários, que é preciso continuar a fingir que se acredita nela, para não admitir o vexame. Olavo de Carvalho, íntegra aqui.
"Para conseguir sua maturidade o homem necessita de um certo equilíbrio entre estas três coisas: talento, educação e experiência." (De civ Dei 11,25)
Cuidado com seus pensamentos: eles se transformam em palavras. Cuidado com suas palavras: elas se transformam em ação. Cuidado com suas ações: elas se transformam em hábitos. Cuidado com seus atos: eles moldam seu caráter.
Cuidado com seu caráter: ele controla seu destino.
A perversão da retórica, que falseia a lógica e os fatos para vencer o adversário em luta desleal, denomina-se erística. Se a retórica apenas simplifica e embeleza os argumentos para torná-los atraentes, a erística vai além: embeleza com falsos atrativos a falta de argumentos.
‎"O que me leva ao conservadorismo é a pesquisa e a investigação da realidade. Como eu não gosto de futebol, não gosto de pagode, não gosto de axé music, não gosto de carnaval, não fumo maconha e considero o PT ilegal, posso dizer que não me considero brasileiro - ao contrário da maioria desses estúpidos que conheço, que afirma ter orgulho disso". (José Octavio Dettmann)
" Platão já observava que a degradação moral da sociedade não chega ao seu ponto mais abjeto quando as virtudes desapareceram do cenário público, mas quando a própria capacidade de concebê-las se extinguiu nas almas da geração mais nova. " Citação de Olavo de Carvalho em "Virtudes nacionais".