Loja OLAVETTES: produtos Olavo de Carvalho

Assembléia Legislativa do Rio de Janeiro concede Medalha Tiradentes a Olavo de Carvalho. Aqui.

segunda-feira, 23 de abril de 2012

Pesquisadores Independentes Desafiam Outro Relatório da OMS

 

JULIO SEVERO

23 de abril de 2012

Lucia Muchova

Washington, DC, EUA 24 de fevereiro (C-FAM) Um recente estudo de um grupo independente de pesquisadores mostra que a Organização Mundial de Saúde (OMS) subestimou de modo significativo as estatísticas de mortalidade da malária em seu Relatório da Malária de 2011. Esse é outro golpe para a credibilidade da mais elevada organização mundial de saúde em apenas dois anos.

Um documento publicado na revista médica The Lancet neste mês por pesquisadores do Instituto de Indicadores e Avaliação de Saúde (IIAS) da Universidade de Washington em Seattle revelou que dava para se atribuir diretamente à malária 1.238 milhão de mortes no mundo inteiro — quase o dobro das 655.000 mortes relatadas pela OMS.

O relatório também deu a surpreendente notícia acerca das reais causas da mortalidade infantil mundial. A mortalidade da malária estava 1.3 vezes mais elevada do que mostrou a estatística da OMS para crianças abaixo de 5 anos na África; 8.1 mais elevada para crianças de cinco anos para cima na África e 1.8 mais elevada para todas as idades fora da África. A equipe do IIAS estimou que dava para se atribuir à malária 24% das mortes de crianças na África em comparação com os 16% citados no relatório da OMS para o ano de 2008.

Compilando dados de 105 países usando modernas ferramentas metodológicas, o IIAS descobriu que as mortes de malária em 2010 em indivíduos de idades de 5 anos para cima foram 524.000 em comparação com a estatística da OMS de 91.000, quase 6 vezes mais elevada. No total, ocorreram mais 433.000 mortes, do que foi citado pela OMS, em pessoas de 5 anos para cima devido à malária em 2010. Os pesquisadores dizem que esses números podem ser ainda mais elevados se mais correções forem feitas nos dados classificados de modo errado e se a malária for contada como fator agravante para outras causas de morte.

O fato de que a mortalidade da malária tenha sido subestimada tem importantes implicações para as políticas públicas. Significa que organizações como o UNICEF deveriam aumentar suas verbas para programas de sobrevivência infantil para reduzir o grande número de mortes infantis de malária na África. Significa que a OMS e outros deveriam aumentar seu engajamento nos programas de prevenção e erradicação da malária. Significa também que as agências da ONU deveriam prestar muito mais atenção à sua coleta e uso de dados.

Esta não é a primeira vez que pesquisadores independentes atuaram como defensores dos direitos dos cidadãos no caso da ONU utilizando estatísticas deficientes. Pouco mais de um ano atrás, a mesma revista publicou um relatório convincente elaborado pelo mesmo grupo de pesquisadores que expunha os números inflados de mortalidade materna relatados por agências da ONU. As estatísticas usadas pela OMS e pelo UNICEF foram consideradas errôneas e a metodologia tinha imperfeições sérias. Mas tais estatísticas têm sido citadas por elaboradores de políticas públicas para exigirem mais financiamentos para as medidas de saúde reprodutiva — inclusive aborto — em vez de programas de redução de mortalidade apontadas para as principais causas da morte materna.

Em anos recentes, a monitoração independente de órgãos internacionais e das informações que eles disseminam tem descoberto discrepâncias sérias. Uma das iniciativas mais recentes é o estabelecimento do CMEPEA, o Consórcio Mundial de Especialistas para as Pesquisas e Educação de Aborto, reunindo cientistas credenciados na área de pesquisas de aborto para apresentarem informações objetivas sobre os efeitos de saúde provocados pelo aborto. Mais recentemente, eles publicaram uma abrangente análise decisiva de um estudo amplamente citado por Guttmacher afirmando que o aborto é mais seguro do que o parto.

Tradução: Julio Severo

Fonte: Friday Fax

Análise: Relatório de Funcionários da OMS Pede Aborto Legal no Mundo em Desenvolvimento, Estatísticas de Aborto São Infladas

Estudo da OMS: enfermeiras e parteiras podem fazer abortos em mulheres no começo da gravidez

Análise: Seja como for, é relatório da OMS, não?

Dados de saúde da ONU mostram que leis liberais de aborto levam a mais mortes maternas

Gripe suína: Quem pagou o preço pela pandemia fantasma?

Diretora da OMS apoia os EUA na promoção do aborto nos serviços de assistência de saúde materna

Como a OMS distorceu dados da mortalidade materna para avançar a agenda do aborto

As destrutivas políticas anti-DDT do Ocidente

Nenhum comentário:

wibiya widget

A teoria marxista da “ideologia de classe” não tem pé nem cabeça. Ou a ideologia do sujeito traduz necessariamente os interesses da classe a que ele pertence, ou ele está livre para tornar-se advogado de alguma outra classe. Na primeira hipótese, jamais surgiria um comunista entre os burgueses e Karl Marx jamais teria sido Karl Marx. Na segunda, não há vínculo entre a ideologia e a condição social do indivíduo e não há portanto ideologia de classe: há apenas a ideologia pessoal que cada um atribui à classe com que simpatiza, construindo depois, por mera inversão dessa fantasia, a suposta ideologia da classe adversária. Uma teoria que pode ser demolida em sete linhas não vale cinco, mas com base nela já se matou tanta gente, já se destruiu tanto patrimônio da humanidade e sobretudo já se gastou tanto dinheiro em subsídios universitários, que é preciso continuar a fingir que se acredita nela, para não admitir o vexame. Olavo de Carvalho, íntegra aqui.
"Para conseguir sua maturidade o homem necessita de um certo equilíbrio entre estas três coisas: talento, educação e experiência." (De civ Dei 11,25)
Cuidado com seus pensamentos: eles se transformam em palavras. Cuidado com suas palavras: elas se transformam em ação. Cuidado com suas ações: elas se transformam em hábitos. Cuidado com seus atos: eles moldam seu caráter.
Cuidado com seu caráter: ele controla seu destino.
A perversão da retórica, que falseia a lógica e os fatos para vencer o adversário em luta desleal, denomina-se erística. Se a retórica apenas simplifica e embeleza os argumentos para torná-los atraentes, a erística vai além: embeleza com falsos atrativos a falta de argumentos.
‎"O que me leva ao conservadorismo é a pesquisa e a investigação da realidade. Como eu não gosto de futebol, não gosto de pagode, não gosto de axé music, não gosto de carnaval, não fumo maconha e considero o PT ilegal, posso dizer que não me considero brasileiro - ao contrário da maioria desses estúpidos que conheço, que afirma ter orgulho disso". (José Octavio Dettmann)
" Platão já observava que a degradação moral da sociedade não chega ao seu ponto mais abjeto quando as virtudes desapareceram do cenário público, mas quando a própria capacidade de concebê-las se extinguiu nas almas da geração mais nova. " Citação de Olavo de Carvalho em "Virtudes nacionais".