Loja OLAVETTES: produtos Olavo de Carvalho

Assembléia Legislativa do Rio de Janeiro concede Medalha Tiradentes a Olavo de Carvalho. Aqui.

sexta-feira, 27 de abril de 2012

ONU condena assassinato de Décio Sá no Maranhão. Navi Pillay preocupa-se com 'tendência ao assassinato de jornalistas no Brasil'

 

VEJA

27/04/2012 - 08:27

  • Crime


Navi Pillay, alta comissária de Direitos Humanos da ONU

Navi Pillay, alta comissária de Direitos Humanos da ONU (Denis Balibouse/Reuters)

A alta comissária da ONU para os Direitos Humanos, Navi Pillay, manifestou nesta sexta-feira seu alarme pelo que 'parece ser uma preocupante tendência ao assassinato de jornalistas' no Brasil, e condenou a violenta morte de um conhecido jornalista político no Maranhão. Décio Sá, repórter do jornal O Estado do Maranhão e um dos blogueiros mais lidos naquele estado, investigava questões da política local, corrupção e crime organizado, e é o quarto jornalista assassinado no Brasil desde o início do ano por motivos relacionados à sua atividade profissional.

Leia também: Brasil é o 2º país mais perigoso para jornalistas trabalharem

"Condenamos seu assassinato. Estamos preocupados há tempos com essa questão. É necessário que os defensores dos direitos humanos brasileiros, incluindo os jornalistas, possam fazer seu trabalho sem temer a intimidação ou algo pior", afirmou Pillay. Sá foi assassinado a tiros na segunda-feira em um bar em São Luís, na capital, em um crime com características de ter sido encomendado.

O assassinato de Sá coincidiu com a advertência da Sociedade Interamericana de Imprensa (SIP) de que a imprensa brasileira está ameaçada, refletindo em quatro homicídios em 2012, ao menos oito casos de agressões, seis de censura judicial, seis atentados, seis ameaças diretas e uma detenção injustificada.

Justiça - A alta comissária da ONU pediu às autoridades para tratarem o caso de Sá, assim como os anteriores assassinatos de jornalistas, como prioridade, de modo que os responsáveis não se sintam despreocupados pela atual falta de sanção. Ao mesmo tempo, pediu ao governo que 'comece imediatamente a tomar medidas de proteção para evitar mais incidentes desse tipo'.

Para a máxima responsável da ONU para questões de direitos humanos, um projeto de lei apresentado no ano passado ao Congresso do Brasil obrigaria as investigações policiais sobre crimes envolvendo jornalistas a ocorrer em âmbito federal, o que 'seria um passo na direção correta'. Pillay pediu a aprovação urgente dessa lei. Questionada se os autores dos quatro crimes de jornalistas brasileiros seriam os mesmos, o porta-voz de Pillay, Rupert Colville, não quis fazer uma especulação e lembrou que os crimes ocorreram em diferentes partes do país. 

(Com agência EFE)

Nenhum comentário:

wibiya widget

A teoria marxista da “ideologia de classe” não tem pé nem cabeça. Ou a ideologia do sujeito traduz necessariamente os interesses da classe a que ele pertence, ou ele está livre para tornar-se advogado de alguma outra classe. Na primeira hipótese, jamais surgiria um comunista entre os burgueses e Karl Marx jamais teria sido Karl Marx. Na segunda, não há vínculo entre a ideologia e a condição social do indivíduo e não há portanto ideologia de classe: há apenas a ideologia pessoal que cada um atribui à classe com que simpatiza, construindo depois, por mera inversão dessa fantasia, a suposta ideologia da classe adversária. Uma teoria que pode ser demolida em sete linhas não vale cinco, mas com base nela já se matou tanta gente, já se destruiu tanto patrimônio da humanidade e sobretudo já se gastou tanto dinheiro em subsídios universitários, que é preciso continuar a fingir que se acredita nela, para não admitir o vexame. Olavo de Carvalho, íntegra aqui.
"Para conseguir sua maturidade o homem necessita de um certo equilíbrio entre estas três coisas: talento, educação e experiência." (De civ Dei 11,25)
Cuidado com seus pensamentos: eles se transformam em palavras. Cuidado com suas palavras: elas se transformam em ação. Cuidado com suas ações: elas se transformam em hábitos. Cuidado com seus atos: eles moldam seu caráter.
Cuidado com seu caráter: ele controla seu destino.
A perversão da retórica, que falseia a lógica e os fatos para vencer o adversário em luta desleal, denomina-se erística. Se a retórica apenas simplifica e embeleza os argumentos para torná-los atraentes, a erística vai além: embeleza com falsos atrativos a falta de argumentos.
‎"O que me leva ao conservadorismo é a pesquisa e a investigação da realidade. Como eu não gosto de futebol, não gosto de pagode, não gosto de axé music, não gosto de carnaval, não fumo maconha e considero o PT ilegal, posso dizer que não me considero brasileiro - ao contrário da maioria desses estúpidos que conheço, que afirma ter orgulho disso". (José Octavio Dettmann)
" Platão já observava que a degradação moral da sociedade não chega ao seu ponto mais abjeto quando as virtudes desapareceram do cenário público, mas quando a própria capacidade de concebê-las se extinguiu nas almas da geração mais nova. " Citação de Olavo de Carvalho em "Virtudes nacionais".