Loja OLAVETTES: produtos Olavo de Carvalho

Assembléia Legislativa do Rio de Janeiro concede Medalha Tiradentes a Olavo de Carvalho. Aqui.

segunda-feira, 9 de janeiro de 2012

Quebra da barreira do horror. Canibalismo na TV holandesa.

IPCO
9, janeiro, 2012


Nilo Fujimoto
Entre as forças vivas de um povo, que conduzem à realização mais perfeita de sua missão, estão seus usos e costumes. Conforme estes se aproximam ou se afastam dos axiomas retos da boa ordem das coisas (reto uso segundo sua natureza e segundo seu fim), mais o povo trilha o caminho que deve seguir ou dele se desvia.
Atualmente está em curso uma revolução cultural, que atua em âmbito mundial, visando à aceitação incondicional de usos e costumes dos mais contrários à natureza, como são, por exemplo, os propugnados pelos lobbys que defendem as práticas homossexuais. E não são poucos os que se dedicam a querer impor, até mesmo por leis, a aceitação de tais práticas. Fazem parte desses lobbys, ou pelo menos os apóiam, aquelas personalidades do mundo político, artístico, acadêmico, etc. que se esforçam por criar um ambiente propício a que se deixe de ter horror a tais condutas imorais.
Não nos referimos, evidentemente, àqueles que, descobrindo em si mesmos uma tendência homossexual, lutam nobremente para não se entregarem a ela. Esta é uma atitude altamente meritória e que merece aplauso.
À medida que se avança na aceitação, ainda que incomodada, das várias aberrações que proliferam no mundo moderno, a revolução cultural procura dar sempre mais um passo rumo ao abismo.
Um fato que ilustra bem esse fenômeno aconteceu na Holanda e foi transmitido pelo canal de televisão BNN num programa de culinária denominado Proefkonijn. Dois apresentadores, submetendo-se a uma pequena cirurgia diante das câmeras, extraem pedaços de carne de seus próprios corpos, fritam-nos e os comem, diante de um público que a tudo assistia atônito.



Houve queixas, mas já aí entrou o esquema de “abafa as consciências”: a Promotoria de Amsterdã decidiu que “não investigará o canibalismo na TV”
Dentro dessa lógica, os fautores de horrores continuarão a gerar ações gradualmente piores e não se deterão. Serão eles vitoriosos no estabelecimento de um mundo diabólico?
Estamos diante de uma revolução cultural, conforme denunciou Plinio Corrêa de Oliveira. Ela visa a minar primeiro as legítimas barreiras de horror ao mal que existem impressas em nossas almas, como o repúdio ao costume bárbaro de comer carne humana, ainda mais a própria carne.
Entretanto, a presente decadência moral é de tal monta, que até isto corre o risco de ser banalizado. É de pasmar, mas é assim.
Na revolução cultural em curso, o objetivo mais imediato é romper as barreiras do horror ao mal, e isto se consegue manifestando abertamente aquilo que provoca horror. Tornando-se freqüentes tais manifestações, depois de certo tempo a aberração fica tão comum que ninguém mais se espanta com ela, e clamará no vazio quem diga que aquilo é um horror.
Na opinião pública é que se opera essa transformação. Se o conjunto das pessoas tem convicções sãs o resultado natural é que se tenha uma opinião pública sã, consequentemente, ela gerará reações sãs.
Sobretudo se o conjunto das pessoas se deixa conduzir pelas graças que, sempre, a Providência Divina, a rogos de Maria Santíssima, concede aos povos, então a fidelidade à Lei de Deus produz maravilhas de retidão natural e moral.
O homem facilmente engendra sofismas para justificar as más ações que deseja praticar ou já praticou, os maus costumes que contraiu ou está contraindo. Disse-o Paul Bourget: “Cumpre viver como se pensa, sob pena de, mais cedo ou mais tarde, acabar por pensar como se viveu” (Le Démon du Midi, Plon, Paris, 1914, vol. II, p. 375).
___________________
Nota: O comentário refere-se à notícia publicada no link:http://m.estadao.com.br/noticias/impresso,justica-nao-investigara-canibalismo-na-tv,814884.htm sob o “Justiça não investigará canibalismo na TV”

Nenhum comentário:

wibiya widget

A teoria marxista da “ideologia de classe” não tem pé nem cabeça. Ou a ideologia do sujeito traduz necessariamente os interesses da classe a que ele pertence, ou ele está livre para tornar-se advogado de alguma outra classe. Na primeira hipótese, jamais surgiria um comunista entre os burgueses e Karl Marx jamais teria sido Karl Marx. Na segunda, não há vínculo entre a ideologia e a condição social do indivíduo e não há portanto ideologia de classe: há apenas a ideologia pessoal que cada um atribui à classe com que simpatiza, construindo depois, por mera inversão dessa fantasia, a suposta ideologia da classe adversária. Uma teoria que pode ser demolida em sete linhas não vale cinco, mas com base nela já se matou tanta gente, já se destruiu tanto patrimônio da humanidade e sobretudo já se gastou tanto dinheiro em subsídios universitários, que é preciso continuar a fingir que se acredita nela, para não admitir o vexame. Olavo de Carvalho, íntegra aqui.
"Para conseguir sua maturidade o homem necessita de um certo equilíbrio entre estas três coisas: talento, educação e experiência." (De civ Dei 11,25)
Cuidado com seus pensamentos: eles se transformam em palavras. Cuidado com suas palavras: elas se transformam em ação. Cuidado com suas ações: elas se transformam em hábitos. Cuidado com seus atos: eles moldam seu caráter.
Cuidado com seu caráter: ele controla seu destino.
A perversão da retórica, que falseia a lógica e os fatos para vencer o adversário em luta desleal, denomina-se erística. Se a retórica apenas simplifica e embeleza os argumentos para torná-los atraentes, a erística vai além: embeleza com falsos atrativos a falta de argumentos.
‎"O que me leva ao conservadorismo é a pesquisa e a investigação da realidade. Como eu não gosto de futebol, não gosto de pagode, não gosto de axé music, não gosto de carnaval, não fumo maconha e considero o PT ilegal, posso dizer que não me considero brasileiro - ao contrário da maioria desses estúpidos que conheço, que afirma ter orgulho disso". (José Octavio Dettmann)
" Platão já observava que a degradação moral da sociedade não chega ao seu ponto mais abjeto quando as virtudes desapareceram do cenário público, mas quando a própria capacidade de concebê-las se extinguiu nas almas da geração mais nova. " Citação de Olavo de Carvalho em "Virtudes nacionais".