Loja OLAVETTES: produtos Olavo de Carvalho

Assembléia Legislativa do Rio de Janeiro concede Medalha Tiradentes a Olavo de Carvalho. Aqui.

segunda-feira, 24 de setembro de 2012

Democratas Novamente Usam de Falsidade Sobre Israel

 

DANIEL PIPES

por Daniel Pipes

National Review Online

11 de Setembro de 2012

Original em inglês: Democrats Fib Again about Israel
Tradução: Joseph Skilnik

Na semana passada houve uma controvérsia sobre Jerusalém na Convenção Nacional Democrata que, vista no contexto de incidentes semelhantes, propicia um insight importante quanto ao distanciamento velado do partido em relação a Israel.

O artigo apareceu em 4 de setembro, quando o Washington Free Beacon informou que "Jerusalém não constava" da plataforma do Partido Democrata de 2012. O fato virou notícia porque desde que se tornou lei nos Estados Unidos em 1995 que "Jerusalém deve ser reconhecida como a capital do Estado de Israel", cada plataforma dos dois maiores partidos dos EUA reitera esta afirmação. Por exemplo, no ano corrente a plataforma republicana, refere-se a "Israel com Jerusalém como a sua capital."

As reações ao silêncio dos democratas vieram de imediato: Jennifer Rubin do Washington Post chamou-a de "a declaração política mais radicalmente invalidante em relação a Israel feita por um partido importante desde a criação do Estado de Israel". Nathan Diament do Orthodox Union (judaico) classificou-a de "extremamente decepcionante". Paul Ryan classificou a omissão de "trágica". Mitt Romney (que recentemente referiu-se a "Jerusalém, a capital de Israel" quando estava em Jerusalém) lamenta que todo o Partido Democrata abraçou a "vergonhosa recusa de Obama em reconhecer que Jerusalém é a capital de Israel".

Os democratas não agiram com menos rapidez. No dia seguinte, 5 de setembro, os representantes presentes na Convenção Nacional Democrata foram informados que o "Presidente Obama reconhece Jerusalém como a capital de Israel e a plataforma do nosso partido também deverá fazê-lo". O prefeito de Los Angeles Antonio Villaraigosa pediu que votassem oralmente, para que aprovassem por 2 a 1 uma emenda à plataforma nesse sentido, bem como outra emenda.

Helen T. McFadden, parlamentar da DNC orienta Villaraigosa, "Você tem que moderar e em seguida você deve deixá-los fazer o que eles bem entenderem". Na hora dele começar a falar, ela repete a ordem: "Conduza!"

Então, no único momento improvisado da convenção, o "não" ressoou tão alto, senão mais alto que o "sim". Villaraigosa com um olhar perplexo pediu uma segunda votação oral e obteve o mesmo resultado. Aparentando indecisão sobre o que fazer, a parlamentar Helen T. McFadden aproximou-se e orientou-o "Você tem que moderar e em seguida você deve deixá-los fazer o que eles bem entenderem". Obedecendo, pediu a terceira votação. Novamente, o "não" no mínimo correspondeu ao "sim". Desta vez Villaraigosa leu as instruções doteleprompter e declarou que "na opinião da presidência, tendo dois terços votado afirmativamente, a moção será adotada". Trapaceados, os representantes anti-Israel vaiaram.

O teleprompter da DNC continha a frase "na opinião da presidência, dois terços tendo votado afirmativamente …" significando que, apesar da votação oral real, o presidente da convenção recebeu instruções para incluir Jerusalém na plataforma do partido.

Alan Dershowitz de Harvard as vaias como vindas de "elementos desonestos". O Senador. Charles Schumer(Partido Democrata de Nova Iorque) declarou que "todo mundo sabe" que a "maioria esmagadora" dos Democratas é a favor de Jerusalém como capital indivisa de Israel. Já o ativista anti-Israel James Zogbydeclarou vitória para o seu lado: "Quando ouço todas as vaias… significa que não estamos mais isolados à margem da política americana". Qual interpretação está correta?

Nenhuma das duas. Dershowitz e Schumer estão errados em negar que forças anti-Israel estão ganhando terreno em um partido crescentemente cordial aos islamistas e vangloriar-se de um presidente cuja compreensão do Oriente Médio é, conforme coloca o National Review, "mais para Edward Said do que para Bernard Lewis." O fato é que os representantes do partido estão divididos equitativamente em relação a Jerusalém como capital de Israel. Só que, contrário a Zogby, o fato de Obama ter que intervir pessoalmente e mudar a plataforma sinaliza o quão amplo o público americano apóia Israel e que a frieza em relação a Israel causa desgaste nas eleições nacionais. Vaias contra Israel vindas de representantes do Partido Democrata atingirão negativamente os eleitores, efetivamente, a campanha de Romney planeja reapresentar o incidente – que o New York Sun corretamente chama de "a matéria que define a convenção [Democrata]" – nos anúncios de campanha.

Debbie Wasserman Schultz, flagrada duas vezes na semana passada fazendo armações sobre o tópico Israel.

A atitude normal e moral seria a parlamentar McFadden fazer com que Villaraigosa declarasse a emenda rejeitada e não ordenar que ele errasse na contagem dos representantes e atropelasse em favor da emenda pró Israel. Lamentavelmente, a exibição pública de fraude se encaixa em um padrão mais amplo de duplicidade do Partido Democrata vis-à-vis Israel. Pense nos três itens a seguir:

  • A Presidente do Comitê Nacional Democrata Debbie Wasserman Schultz acusou na última semana o Washington Examiner de "deliberadamente" distorcer suas palavras sobre o embaixador de Israel ter dito que os republicanos são "perigosos para Israel", na realidade, ela mentiu duas vezes – inventando a declaração do embaixador e em seguida negando o que ela tinha dito sobre ele.
  • O vídeo do Conselho Democrático Nacional Judaico, "O Que os Israelenses Acham De Obama"? na realidade falsificou declarações anti Obama atribuídas aos israelenses, transformando-as em pró Obama.
  • No ano passado a Casa Branca colocou uma nova rotulagem nas legendas das fotos para retirar o uso de uma frase ofensiva, a saber "Jerusalém, Israel".

Os democratas fazem de conta que são pró Israel (por motivos eleitorais) ainda que estejam mais frios em relação ao estado judeu (por motivos ideológicos). As distorções estão se tornando cada vez mais ineficazes, grosseiras e sórdidas.

Tópicos Relacionados: Conservadores & Liberais, Israel, Jerusalémcadastre-se para receber gratuitamente o boletim semanal de daniel pipes em português 

Esse texto poderá ser reproduzido ou reencaminhado, contanto que seja apresentado em sua íntegra juntamente com informações completas sobre o autor, data, local da publicação e URL original.

Nenhum comentário:

wibiya widget

A teoria marxista da “ideologia de classe” não tem pé nem cabeça. Ou a ideologia do sujeito traduz necessariamente os interesses da classe a que ele pertence, ou ele está livre para tornar-se advogado de alguma outra classe. Na primeira hipótese, jamais surgiria um comunista entre os burgueses e Karl Marx jamais teria sido Karl Marx. Na segunda, não há vínculo entre a ideologia e a condição social do indivíduo e não há portanto ideologia de classe: há apenas a ideologia pessoal que cada um atribui à classe com que simpatiza, construindo depois, por mera inversão dessa fantasia, a suposta ideologia da classe adversária. Uma teoria que pode ser demolida em sete linhas não vale cinco, mas com base nela já se matou tanta gente, já se destruiu tanto patrimônio da humanidade e sobretudo já se gastou tanto dinheiro em subsídios universitários, que é preciso continuar a fingir que se acredita nela, para não admitir o vexame. Olavo de Carvalho, íntegra aqui.
"Para conseguir sua maturidade o homem necessita de um certo equilíbrio entre estas três coisas: talento, educação e experiência." (De civ Dei 11,25)
Cuidado com seus pensamentos: eles se transformam em palavras. Cuidado com suas palavras: elas se transformam em ação. Cuidado com suas ações: elas se transformam em hábitos. Cuidado com seus atos: eles moldam seu caráter.
Cuidado com seu caráter: ele controla seu destino.
A perversão da retórica, que falseia a lógica e os fatos para vencer o adversário em luta desleal, denomina-se erística. Se a retórica apenas simplifica e embeleza os argumentos para torná-los atraentes, a erística vai além: embeleza com falsos atrativos a falta de argumentos.
‎"O que me leva ao conservadorismo é a pesquisa e a investigação da realidade. Como eu não gosto de futebol, não gosto de pagode, não gosto de axé music, não gosto de carnaval, não fumo maconha e considero o PT ilegal, posso dizer que não me considero brasileiro - ao contrário da maioria desses estúpidos que conheço, que afirma ter orgulho disso". (José Octavio Dettmann)
" Platão já observava que a degradação moral da sociedade não chega ao seu ponto mais abjeto quando as virtudes desapareceram do cenário público, mas quando a própria capacidade de concebê-las se extinguiu nas almas da geração mais nova. " Citação de Olavo de Carvalho em "Virtudes nacionais".