Loja OLAVETTES: produtos Olavo de Carvalho

Assembléia Legislativa do Rio de Janeiro concede Medalha Tiradentes a Olavo de Carvalho. Aqui.

segunda-feira, 23 de julho de 2012

Governo Federal investe em aborto e deixa mães terem seus filhos em cadeiras de hospital

 

PORTA FIDEI

23 segunda-feira jul 2012

Posted by portadafe in Igreja, Moral, Notícias

O site padrepauloricardo.org denunciou nas últimas semanas o avanço da agenda abortista no Brasil, por meio de normas técnicas e reformas no Código Penal. A situação é demasiadamente grave, e por isso, requer nossa máxima atenção. Até porque, o que está em jogo não é somente a soberania do país perante a ingerência das multinacionais estrangeiras – financiadoras do controle da natalidade no mundo – mas a vida de milhões de crianças que serão ceifadas, em decorrência dessa política genocida que se pretende aplicar nesta Terra de Santa Cruz.

Assim como ressaltou o Padre Paulo Ricardo na aula ao vivo da última terça, a aprovação da política de redução de danos para casos de abortos clandestinos é muitíssimo pior que a legalização desse crime. Através dessa norma, o governo passa a se comportar como o principal promotor do assassinato intra-uterino. A proposta, de acordo com o que noticiou a grande mídia, resume-se à distribuição de cartilhas às mulheres já decididas a abortar, com indicações de “cuidados de proteção pré-aborto”. Em suma, a norma funciona como um manual para bandidos que desejam cometer crimes sem se machucar. Todavia, para o senhor secretário de Atenção à Saúde, Helvécio Magalhães, “isso não é um crime, o crime é o ato em si”.

O discurso de Magalhães, como demonstrou, recentemente, o padre Luis Carlos Lodi – presidente do Pró-vida de Anápolis – é pura falácia. Conforme o Código Penal vigente comete crime não só quem o pratica, mas também quem o incentiva (art. 29, CP). Portanto, a norma técnica em questão se enquadra perfeitamente nos delitos tipificados pela lei como “incitação ao crime” (art. 286, CP) ou “apologia ao crime” (art. 287, CP).

Acordo entre o Governo Federal e a FIOCRUZ para estudos sobre a legalização do aborto. Dinheiro público investido na defesa da morte

Ademais, sabe-se que o Governo Federal, desde outubro de 2010, mantém um convênio com a Fundação Oswaldo Cruz para um projeto intitulado “Estudo e Pesquisa – Despenalizar o aborto no Brasil”. Com um subsídio de 80 mil reais, vindo dos cofres públicos, a FIOCRUZ produziu um documentário chamado “Fim do Silêncio” no qual mulheres que já abortaram depõem a favor da legalização do procedimento. O material, segundo seus produtores, foi elaborado para distribuição em instituições públicas como escolas e universidades. Segue-se a isso o fato de que há certo tempo, o governo também tem financiado viagens ao exterior para pesquisas no ramo. Além disso, a nomeação da Sra. Eleonora Menicucci – que se autointitula a avó do aborto – para Secretaria de Políticas para Mulher é nada mais que um ato pró-abortismo.

O médico anestesista Madson Vidal publicou uma foto no Twitter mostrando uma gestante deitada em duas cadeiras por falta de leito na maternidade Escola Januário Cicco, no último dia 16, no RN

Assusta, por conseguinte, que enquanto o Governo investe naquilo que os abortistas chamam de aborto “seguro”, mulheres grávidas sofrem com a precariedade das maternidades públicas do país. O Portal de Notícias UOL publicou nesta sexta-feira uma denúncia grave a respeito da trágica situação dos hospitais públicos do Rio Grande do Norte. De acordo com o portal, as condições são tão problemáticas, que algumas mulheres tiveram de dar à luz deitadas em cadeiras por causa da superlotação. Mas o problema não se restringe ao estado nordestino; é algo que ocorre em todo o país, como bem relatou a Sra. Maria Angélica, da Sociedade Divulgadora Espírita Auta de Souza, durante a Subcomissão Permanente da Mulher, realizada em Brasília no mês de março. Na ocasião, Maria Angélica questionou as senadoras feministas o porquê de elas não falarem claramente que o interesse delas era legalizar o aborto.

Cabe a pergunta: um governo que negligencia a situação calamitosa dos hospitais públicos e os cuidados com as gestantes, realmente está preocupado com a saúde feminina, ao investir maciçamente na legalização do aborto? Acaso um Estado que tem um dos piores sistemas de saúde pública do mundo pode se dar o direito de cuidar das mulheres que querem abortar como caso de “saúde pública”? É claro que tudo se trata de um alinhamento às indicações dos conglomerados norte-americanos que financiam o aborto desde a década de 1930. Um panorama objetivo de todas essas ações pró-aborto pode ser encontrado no livro “IPPF: a multinacional da morte”, do advogado argentino Jorge Scala.

É urgente a nossa ação contra esses desmandos dos grupos abortistas em nosso país. Não podemos nos calar perante toda a mortandade que se seguirá caso essa política esdrúxula seja aplicada. Sigamos as orientações da nota do Regional Sul I da CNBB, exigindo a imediata demissão da Sra. Eleonora Menicucci da Secretaria de políticas para mulher e do Sr. Helvécio Magalhães da Secretaria de Atenção à Saúde do Ministério da Saúde, além do rompimento dos convênios do Governo Federal com os grupos de pesquisa para legalização do aborto no Brasil.

Não nos calemos, façamos valer a nossa fé!

Leia também: Governo Federal gasta dinheiro público para celebrar aniversário de Comitê pró-aborto – O Possível e o Extraordinário

Nenhum comentário:

wibiya widget

A teoria marxista da “ideologia de classe” não tem pé nem cabeça. Ou a ideologia do sujeito traduz necessariamente os interesses da classe a que ele pertence, ou ele está livre para tornar-se advogado de alguma outra classe. Na primeira hipótese, jamais surgiria um comunista entre os burgueses e Karl Marx jamais teria sido Karl Marx. Na segunda, não há vínculo entre a ideologia e a condição social do indivíduo e não há portanto ideologia de classe: há apenas a ideologia pessoal que cada um atribui à classe com que simpatiza, construindo depois, por mera inversão dessa fantasia, a suposta ideologia da classe adversária. Uma teoria que pode ser demolida em sete linhas não vale cinco, mas com base nela já se matou tanta gente, já se destruiu tanto patrimônio da humanidade e sobretudo já se gastou tanto dinheiro em subsídios universitários, que é preciso continuar a fingir que se acredita nela, para não admitir o vexame. Olavo de Carvalho, íntegra aqui.
"Para conseguir sua maturidade o homem necessita de um certo equilíbrio entre estas três coisas: talento, educação e experiência." (De civ Dei 11,25)
Cuidado com seus pensamentos: eles se transformam em palavras. Cuidado com suas palavras: elas se transformam em ação. Cuidado com suas ações: elas se transformam em hábitos. Cuidado com seus atos: eles moldam seu caráter.
Cuidado com seu caráter: ele controla seu destino.
A perversão da retórica, que falseia a lógica e os fatos para vencer o adversário em luta desleal, denomina-se erística. Se a retórica apenas simplifica e embeleza os argumentos para torná-los atraentes, a erística vai além: embeleza com falsos atrativos a falta de argumentos.
‎"O que me leva ao conservadorismo é a pesquisa e a investigação da realidade. Como eu não gosto de futebol, não gosto de pagode, não gosto de axé music, não gosto de carnaval, não fumo maconha e considero o PT ilegal, posso dizer que não me considero brasileiro - ao contrário da maioria desses estúpidos que conheço, que afirma ter orgulho disso". (José Octavio Dettmann)
" Platão já observava que a degradação moral da sociedade não chega ao seu ponto mais abjeto quando as virtudes desapareceram do cenário público, mas quando a própria capacidade de concebê-las se extinguiu nas almas da geração mais nova. " Citação de Olavo de Carvalho em "Virtudes nacionais".