Loja OLAVETTES: produtos Olavo de Carvalho

Assembléia Legislativa do Rio de Janeiro concede Medalha Tiradentes a Olavo de Carvalho. Aqui.

segunda-feira, 23 de julho de 2012

Governo anuncia plano de estatização das empresas de telefonia celular

 

VANGUARDA POPULAR

ESCRITO POR EMMANUEL GOLDSTEIN

O secretário executivo do Ministério das Comunicações afirmou nesta sexta-feira que o governo irá nacionalizar as empresas de telefonia celular. Ele disse que o ministério apresentará nos próximos dias um projeto de lei para colocar a exploração do setor nas mãos do Povo (governo).

As empresas de telefonia celular falharam ao não prever um aumento na demanda de seus serviços. Houve um erro de cálculo econômico. Nas empresas estatais isso jamais teria acontecido”, disse o secretário.

O Ministro das Comunicações explicou que todos os bens das operadoras (TIM, Oi, Claro e Vivo) farão parte de uma rede pública socialista, que pretende oferecer serviços com maior qualidade e preços mais baratos para a população. “Aqui há um governo que vai trabalhar para defender os interesses do Povo, não os da burguesia exploradora. Nós vamos nacionalizar as empresas de telecomunicação. Tudo o que foi privatizado deve retornar para as mãos do Estado. Estas empresas têm que estar sob controle do Partido. Isso é Justiça Social. O Estado é sempre mais eficiente e justo que o mercado”, afirmou o Ministro.

A nova estatal, que nascerá da expropriação e fusão dos bens das maiores empresas que operam no mercado brasileiro, se chamará KIM Telecom, em homenagem ao líder comunista norte-coreano Kim Jong Il, baluarte do Socialismo, da Democracia e da Paz no Mundo.

2 comentários:

Marcelo disse...

Isso é uma piada.

A. B. Machado disse...

Sim, o site Vanguarda Popular tira sarro com os vermelhos.

wibiya widget

A teoria marxista da “ideologia de classe” não tem pé nem cabeça. Ou a ideologia do sujeito traduz necessariamente os interesses da classe a que ele pertence, ou ele está livre para tornar-se advogado de alguma outra classe. Na primeira hipótese, jamais surgiria um comunista entre os burgueses e Karl Marx jamais teria sido Karl Marx. Na segunda, não há vínculo entre a ideologia e a condição social do indivíduo e não há portanto ideologia de classe: há apenas a ideologia pessoal que cada um atribui à classe com que simpatiza, construindo depois, por mera inversão dessa fantasia, a suposta ideologia da classe adversária. Uma teoria que pode ser demolida em sete linhas não vale cinco, mas com base nela já se matou tanta gente, já se destruiu tanto patrimônio da humanidade e sobretudo já se gastou tanto dinheiro em subsídios universitários, que é preciso continuar a fingir que se acredita nela, para não admitir o vexame. Olavo de Carvalho, íntegra aqui.
"Para conseguir sua maturidade o homem necessita de um certo equilíbrio entre estas três coisas: talento, educação e experiência." (De civ Dei 11,25)
Cuidado com seus pensamentos: eles se transformam em palavras. Cuidado com suas palavras: elas se transformam em ação. Cuidado com suas ações: elas se transformam em hábitos. Cuidado com seus atos: eles moldam seu caráter.
Cuidado com seu caráter: ele controla seu destino.
A perversão da retórica, que falseia a lógica e os fatos para vencer o adversário em luta desleal, denomina-se erística. Se a retórica apenas simplifica e embeleza os argumentos para torná-los atraentes, a erística vai além: embeleza com falsos atrativos a falta de argumentos.
‎"O que me leva ao conservadorismo é a pesquisa e a investigação da realidade. Como eu não gosto de futebol, não gosto de pagode, não gosto de axé music, não gosto de carnaval, não fumo maconha e considero o PT ilegal, posso dizer que não me considero brasileiro - ao contrário da maioria desses estúpidos que conheço, que afirma ter orgulho disso". (José Octavio Dettmann)
" Platão já observava que a degradação moral da sociedade não chega ao seu ponto mais abjeto quando as virtudes desapareceram do cenário público, mas quando a própria capacidade de concebê-las se extinguiu nas almas da geração mais nova. " Citação de Olavo de Carvalho em "Virtudes nacionais".