Loja OLAVETTES: produtos Olavo de Carvalho

Assembléia Legislativa do Rio de Janeiro concede Medalha Tiradentes a Olavo de Carvalho. Aqui.

segunda-feira, 21 de novembro de 2011

Médicos Brasileiros X Médicos Cubanos

DIREITA BEM INFORMADA
segunda-feira, 21 de novembro de 2011

Roberto Moraes Enviou

Artigo do Companheiro
Rogério Jose Brandão – Médico Cancerologista 
RC Recife Boa Vista

Sala de Leitura

É no mínimo estranho o posicionamento do governo federal em relação à pretensão dos médicos cubanos em pleitear equiparação aos formados nas universidades brasileiras.


Existem grandes diferenças entre as grades curriculares dos cursos médicos nas universidades brasileira e cubana, o que é natural, pois vivemos realidades e necessidades diferentes. Além disto, se comete uma injustiça aos graduados pelas nossas universidades. O aluno do curso médio brasileiro que deseje se tornar um futuro médico, sabe que disputará um concorrido vestibular onde só os melhores entre os melhores serão aproveitados.

Isto faz com que estes alunos geralmente estudem mais e se destaquem entre os seus colegas. Nas melhores universidades ficarão os melhores alunos, esta é a regra. A seleção entre os melhores continuará após a graduação, nos concorridos concursos para residência médica e assim por diante. Qual a origem dos formados pela universidade cubana? De onde vieram estes alunos, quais foram suas notas durante o ensino médio, qual a classificação nos vestibulares brasileiros? Como foi a sua formação técnica e ética? É comum se encontrar um aluno brasileiro de medicina estudante em países como Cuba ou Bolívia, após vários anos seguidos de reprovação nos vestibulares no brasileiros!

Por que a um médico brasileiro formado em Harvard, Oxford, Yale, Princeton etc, é exigido testes de qualificação antes de se conferir a equiparação e aos formados em Cuba esta avaliação pode ser dispensada? Seriam as universidades cubanas superiores a estas tradicionais escolas? Estas questões merecem uma reflexão, pois o verdadeiro interesse não é mérito científico e acadêmico e sim o político. Querem beneficiar pessoas que vão estudar em Cuba levadas por movimentos sociais e sindicais, pessoas que não se qualificaram nos teste de acesso exigido a todos os brasileiros que aqui estudam. Não se pode aceitar como justificativa a recente declaração do ministro da saúde que estes médicos atuarão nos mais distante ricões, onde o médico brasileiro não quer ir trabalhar. Isto não é verdade, pois ao se equiparar os formados em Cuba aos médicos brasileiros, estes terão acesso aos mesmos privilégios que temos, aos mesmos direitos que conquistamos por mérito. Se tiverem oportunidades, e aqui não posso deixar de pensá-los como oportunistas por escolherem um acesso direto à universidade, sem mérito, escolherão trabalhar nos melhores centros, que igualmente lhes dão aos melhores condições de trabalho, crescimento e desenvolvimento profissional. A questão básica é esta: se não desejamos trabalhar em grotões subdesenvolvidos é porque nestes locais não nos são oferecidos às mínimas condições de trabalho dentro da dignidade exigida para o exercício da medicina. A um profissional qualificado, é necessário se oferecer salário compatível, oportunidades de exercer a profissão dentro da plenitude dos conhecimentos incorporados, além de condições de crescimento e desenvolvimento profissional. Os locais que oferecem tais condições, não carecem de médicos. Ao se tentar corrigir um problema pelo topo da pirâmide, se cria um problema pior, pois ao pobre coitado que mora nos locais distantes e inóspitos será oferecido um médico de formação duvidosa, não aprovado pelo sistema vigente de educação do país, aceito apenas por condição e conveniência política. O sistema de avaliação deve ser preservado, para o bom nome da medicina.
 
Leia Mais Aqui

Nenhum comentário:

wibiya widget

A teoria marxista da “ideologia de classe” não tem pé nem cabeça. Ou a ideologia do sujeito traduz necessariamente os interesses da classe a que ele pertence, ou ele está livre para tornar-se advogado de alguma outra classe. Na primeira hipótese, jamais surgiria um comunista entre os burgueses e Karl Marx jamais teria sido Karl Marx. Na segunda, não há vínculo entre a ideologia e a condição social do indivíduo e não há portanto ideologia de classe: há apenas a ideologia pessoal que cada um atribui à classe com que simpatiza, construindo depois, por mera inversão dessa fantasia, a suposta ideologia da classe adversária. Uma teoria que pode ser demolida em sete linhas não vale cinco, mas com base nela já se matou tanta gente, já se destruiu tanto patrimônio da humanidade e sobretudo já se gastou tanto dinheiro em subsídios universitários, que é preciso continuar a fingir que se acredita nela, para não admitir o vexame. Olavo de Carvalho, íntegra aqui.
"Para conseguir sua maturidade o homem necessita de um certo equilíbrio entre estas três coisas: talento, educação e experiência." (De civ Dei 11,25)
Cuidado com seus pensamentos: eles se transformam em palavras. Cuidado com suas palavras: elas se transformam em ação. Cuidado com suas ações: elas se transformam em hábitos. Cuidado com seus atos: eles moldam seu caráter.
Cuidado com seu caráter: ele controla seu destino.
A perversão da retórica, que falseia a lógica e os fatos para vencer o adversário em luta desleal, denomina-se erística. Se a retórica apenas simplifica e embeleza os argumentos para torná-los atraentes, a erística vai além: embeleza com falsos atrativos a falta de argumentos.
‎"O que me leva ao conservadorismo é a pesquisa e a investigação da realidade. Como eu não gosto de futebol, não gosto de pagode, não gosto de axé music, não gosto de carnaval, não fumo maconha e considero o PT ilegal, posso dizer que não me considero brasileiro - ao contrário da maioria desses estúpidos que conheço, que afirma ter orgulho disso". (José Octavio Dettmann)
" Platão já observava que a degradação moral da sociedade não chega ao seu ponto mais abjeto quando as virtudes desapareceram do cenário público, mas quando a própria capacidade de concebê-las se extinguiu nas almas da geração mais nova. " Citação de Olavo de Carvalho em "Virtudes nacionais".