Loja OLAVETTES: produtos Olavo de Carvalho

Assembléia Legislativa do Rio de Janeiro concede Medalha Tiradentes a Olavo de Carvalho. Aqui.

terça-feira, 17 de abril de 2012

Bocolices nietszcheanas

 

CONDE LOPPEUX DE LA VILLANUEVA

segunda-feira, 16 de abril de 2012


Confesso, há certos blogueiros que servem de malhação de Judas, de nosso saco de pancadas. Eles apanham, não somente pelos posicionamentos ideológicos, como pela superficialidade com que divagam sobre assuntos complexos. A república brasileira é, atualmente, o paraíso dos palpiteiros. Recentemente, no dia 15 de abril de 2012, participei de um debate sobre capitalismo e socialismo, no programa do site Rádiovlogs, do vlogueiro Daniel Fraga. E uma deficiência que vejo na fala de certos interlocutores é a velha expressão “eu acho”. . . As pessoas dificilmente explanam fatos, realidades, acontecimentos, que justifiquem suas idéias. Simplesmente parece que conjecturar sobre capitalismo ou socialismo é pura defesa de gosto.

Já transformei vários blogueiros em saco de pancadas. Um deles foi o professorzinho esquerdista da PUC, Leonardo Sakamoto. A desonestidade intelectual dos seus argumentos e o  puxa-saquismo governamental foram causas de alguns artigos nada elogiosos do meu blog. E há também Rodrigo Constantino. Curioso notar que ele se identifica como liberal. Todavia, sendo um liberal, tem os mesmíssimos pontos de vista de Leonardo Sakamoto, no que diz respeito ao aborto, à eutanásia, ao casamento homossexual e ao ódio a religião. Em outras palavras, seria surpreendente encontrarmos um socialista e um liberal unidos por uma causa comum?  Nem tanto. . .ambos são filhos do racionalismo iluminista, com toda praga de totalitarismos e relativismos que esse pensamento gerou.

Neles, existe uma notória aliança: a associação espiritual com a morte. Não esperaria outra coisa de um comunista como Sakamoto. Contudo, de um liberal, ao menos, se supõe a defesa do direito à vida. Constantino cita Nietsczche para criticar a piedade dos cristãos. Nós, cristãos, somos os “cultores” do sofrimento humano! Desprezamos a vida em sua “potência plena” (essas foram as palavras do blogueiro). Porque os cristãos, no fundo, são vaidosos e hipócritas, que adoram ver gente sofrer. Que absurdo esperar que a lei proteja a vida dos nascituros doentes ou defeituosos, contra a sanha dos pais e dos engenheiros sociais! Como esses inúteis não sobreviverão, ou mais, não chegarão a “potência plena” de vida, a melhor caridade que se faz é matá-los.

Mas afinal, o que é “potência plena”? Nietszche idealizava o super-homem, a “vontade da potência”, e, no entanto, era um pobre doente que virou louco. Constantino idealizará um estereótipo de perfeição humana, para que alcancemos a tal “potência plena”? Um austríaco frustrado, embebido com algumas ideias niestzcheanas, também idealizou um novo homem, perfeito, belo, másculo, superior: Adolf Hitler. E deu no que deu. A guerra, os massacres de povos inteiros, o genocídio. E no fim, a derrocada da civilização europeia. E o nosso liberal de meia pataca se ofende quando é chamado de nazista?

A discussão sobre a anencefalia no STF espantou pela sua natureza pseudo-científica e anti-ética. Primeiro, porque reduziu a vida a um mero problema biológico, como se o processo mesmo definidor da vida se resumisse a um prognostico técnico previsto por médicos. E segundo, porque a ética relacionada ao direito à vida, instituída na Constituição e na legislação infra-constitucional, foi solenemente ignorada pela subjetividade de perspectivas dos ministros. Ou melhor, pelas crendices materialistas impregnadas no conceito da vida humana. Os médicos e ministros do Supremo são uma espécie autodeclarada de semideuses, autoridades eclesiásticas de uma nova ordem, definindo, ao arrepio da discussão moral, da filosofia e da própria complexidade visível da existência humana, quem deve viver e morrer. E, lembremos, pela presunção cega de que supostamente não há vida. O fato de crianças anencéfalas terem sobrevivido ao nascimento por algum tempo foi ignorado pelo STF. Como são frágeis demais para viverem, por que se dar ao trabalho de cuidá-las? Na prática, a Corte Suprema do país deu largo precedente para a eugenia pura e simples. O nascituro, filho de um casal, é portador de síndrome de Down? É fisicamente defeituoso? É pobre? Ou não atende a um estereótipo de “potência” para uma vida plena? Então se elimina os fracos.

Rodrigo Constantino é reflexo de uma humanidade cada vez mais mesquinha e covarde. Uma humanidade frouxa, que teme a dor e o sacrifício, pelo fato de não se responsabilizar por ninguém e, tampouco, pelos dramas da própria existência. A vida é também sofrimento e dor, para que haja madureza no homem. Quem não sofre, nunca cresce. O que está se produzindo é uma sociedade de gente imatura e de infância prolongada, por não aceitar a fase adulta da vida. Esse tipo de gente é tão estúpido, que muitas vezes prefere morrer a aceitar a dor.

O cristianismo nos ensina aceitar a dor como parte da vida e da existência. E da dor extrai-se alguma lição moral de superação e dignidade. Dignidade que é intrínseca ao ser humano, independentemente do seu estado.

O universo filosófico nietszcheano de Constantino é puramente infantil. É mero reflexo das compensações um filósofo louco, que não possuía qualquer firmeza espiritual, para o viés de sua enfermidade.

Nenhum comentário:

wibiya widget

A teoria marxista da “ideologia de classe” não tem pé nem cabeça. Ou a ideologia do sujeito traduz necessariamente os interesses da classe a que ele pertence, ou ele está livre para tornar-se advogado de alguma outra classe. Na primeira hipótese, jamais surgiria um comunista entre os burgueses e Karl Marx jamais teria sido Karl Marx. Na segunda, não há vínculo entre a ideologia e a condição social do indivíduo e não há portanto ideologia de classe: há apenas a ideologia pessoal que cada um atribui à classe com que simpatiza, construindo depois, por mera inversão dessa fantasia, a suposta ideologia da classe adversária. Uma teoria que pode ser demolida em sete linhas não vale cinco, mas com base nela já se matou tanta gente, já se destruiu tanto patrimônio da humanidade e sobretudo já se gastou tanto dinheiro em subsídios universitários, que é preciso continuar a fingir que se acredita nela, para não admitir o vexame. Olavo de Carvalho, íntegra aqui.
"Para conseguir sua maturidade o homem necessita de um certo equilíbrio entre estas três coisas: talento, educação e experiência." (De civ Dei 11,25)
Cuidado com seus pensamentos: eles se transformam em palavras. Cuidado com suas palavras: elas se transformam em ação. Cuidado com suas ações: elas se transformam em hábitos. Cuidado com seus atos: eles moldam seu caráter.
Cuidado com seu caráter: ele controla seu destino.
A perversão da retórica, que falseia a lógica e os fatos para vencer o adversário em luta desleal, denomina-se erística. Se a retórica apenas simplifica e embeleza os argumentos para torná-los atraentes, a erística vai além: embeleza com falsos atrativos a falta de argumentos.
‎"O que me leva ao conservadorismo é a pesquisa e a investigação da realidade. Como eu não gosto de futebol, não gosto de pagode, não gosto de axé music, não gosto de carnaval, não fumo maconha e considero o PT ilegal, posso dizer que não me considero brasileiro - ao contrário da maioria desses estúpidos que conheço, que afirma ter orgulho disso". (José Octavio Dettmann)
" Platão já observava que a degradação moral da sociedade não chega ao seu ponto mais abjeto quando as virtudes desapareceram do cenário público, mas quando a própria capacidade de concebê-las se extinguiu nas almas da geração mais nova. " Citação de Olavo de Carvalho em "Virtudes nacionais".