Loja OLAVETTES: produtos Olavo de Carvalho

Assembléia Legislativa do Rio de Janeiro concede Medalha Tiradentes a Olavo de Carvalho. Aqui.

segunda-feira, 4 de junho de 2012

Revista apreendida por matéria contra o PT processará prefeitura

 

TERRA

01 de junho de 2012 13h38 atualizado às 15h50

Revista deve provar acusações contra o PT nas próximas edições. Foto: Reprodução

Revista deve provar acusações contra o PT nas próximas edições
Foto: Reprodução

THAÍS SABINO

A revista Free São Paulo, que trouxe na edição mais recente uma matéria de capa sobre um suposto esquema de corrupção comandado pelo PT, vai processar a prefeitura de Mauá por danos morais, após o secretário de Segurança da cidade, Carlos Tomaz, ordenar a apreensão dos exemplares e de um carro de distribuição. "Vamos processar a prefeitura por danos morais", afirmou o diretor de marketing Walter Saavedra.

Na tarde de quinta-feira (31), quatro funcionários do grupo MG Com, responsável pela publicação, distribuíam exemplares da revista quando foram levados por policiais militares até a 1ª Delegacia de Polícia de Mauá. De acordo com o publisher do grupo, Luciano Maciel, o delegado não constatou ilegalidade e liberou os funcionários. "Enquanto eles aguardavam, chegou o secretário de Segurança (Carlos Tomaz). Ele folheou a revista e conversou com o secretário jurídico, depois pediu para apreender as revistas e o carro", contou.

Procurado pelo Terra, o secretário Carlos Tomaz não quis se manisfestar. Em nota, a prefeitura de Mauá informou que a guarda civil fez a apreensão administrativa "com base nas leis municipais nº 2894, de 13/05/1998, e nº 9484, de 30/04/2002, que regulamentam a distribuição de materiais de divulgação e publicitários nas vias públicas da cidade". O Departamento Jurídico da Prefeitura estuda o cabimento de registro de boletim de ocorrência, segundo a nota.

O boletim de ocorrência do caso, assinado pelo delegado de polícia Alexandre Magno e pelo escrivão Alexandre Ueda, informa que antes de o secretário chegar, o delegado havia decidido que a distribuição das revistas não se caracterizava como ilícito penal. O documento também confirma que a apreensão ocorreu apenas após a chegada de Tomaz.

Segundo Maciel, durante o acontecimento o motorista Claudemir Silva Santos se sentiu tratado como um bandido. Ele afirmou que a empresa está juntando os documentos para recuperar o carro apreendido e, em seguida, deve dar prosseguimento ao processo por danos morais. "O delegado foi conivente com o que aconteceu. Primeiro ele falou que não tinha crime, depois o secretário mandou e ele lavou as mãos", disse. "Foi totalmente arbitrária", protestou em relação à apreensão.

Motivação política
A reportagem faz uma ligação à morte do ex-prefeito de Santo André, Celso Daniel, com a corrupção que mantém o PT até hoje no poder. Para Maciel, a prefeitura de Mauá ser liderada pelo PT tem relação com o ocorrido. "Certamente foi política, o PT está no poder em Mauá, teve motivação política", disse ele. Oswald Dias (PT) é o prefeito da cidade.

Maciel ainda negou qualquer ligação da empresa com o Metrô - sob o governo do PSDB -, PSDB ou outro partido político. "Absolutamente nenhuma ligação com o PSDB, somos um grupo de mídia, em Guarulhos, temos outros veículos que circulam em São Paulo. Somos um grupo de mídia há 10 anos. Já tivemos anúncio de campanhas ligadas ao governo do Estado, mas se fizer as contas da verba publicitária, recebemos muito mais de campanhas ligadas ao PT do que do governo do Estado", explicou. Ele ainda disse que se levantassem informações criminosas do PSDB, agiriam da mesma forma jornalística.

Resposta do PT
O Diretório Estadual do PT-SP divulgou uma nota de repúdio à matéria veiculada pela revista Free São Paulo e disse que o conteúdo contraria investigações policiais concluídas. O PT reiterou que as denúncias envolvendo o nome do partido são infundadas e todas as medidas já estão sendo adotadas para que a publicação responda na Justiça.

Maciel, porém, afirmou que tem como provar cada afirmação feita na matéria, com documentos recolhidos pelos profissionais. "Vamos mostrar que temos provas nas próximas edições", disse ele. O publisher afirmou que é correto o partido tentar se defender, mas a apreensão do material é inadmissível. "Não estamos brincando de casinha, estamos fazendo trabalho jornalístico", concluiu.

    mais notícias de eleições 2012 »

    Terra

    Nenhum comentário:

    wibiya widget

    A teoria marxista da “ideologia de classe” não tem pé nem cabeça. Ou a ideologia do sujeito traduz necessariamente os interesses da classe a que ele pertence, ou ele está livre para tornar-se advogado de alguma outra classe. Na primeira hipótese, jamais surgiria um comunista entre os burgueses e Karl Marx jamais teria sido Karl Marx. Na segunda, não há vínculo entre a ideologia e a condição social do indivíduo e não há portanto ideologia de classe: há apenas a ideologia pessoal que cada um atribui à classe com que simpatiza, construindo depois, por mera inversão dessa fantasia, a suposta ideologia da classe adversária. Uma teoria que pode ser demolida em sete linhas não vale cinco, mas com base nela já se matou tanta gente, já se destruiu tanto patrimônio da humanidade e sobretudo já se gastou tanto dinheiro em subsídios universitários, que é preciso continuar a fingir que se acredita nela, para não admitir o vexame. Olavo de Carvalho, íntegra aqui.
    "Para conseguir sua maturidade o homem necessita de um certo equilíbrio entre estas três coisas: talento, educação e experiência." (De civ Dei 11,25)
    Cuidado com seus pensamentos: eles se transformam em palavras. Cuidado com suas palavras: elas se transformam em ação. Cuidado com suas ações: elas se transformam em hábitos. Cuidado com seus atos: eles moldam seu caráter.
    Cuidado com seu caráter: ele controla seu destino.
    A perversão da retórica, que falseia a lógica e os fatos para vencer o adversário em luta desleal, denomina-se erística. Se a retórica apenas simplifica e embeleza os argumentos para torná-los atraentes, a erística vai além: embeleza com falsos atrativos a falta de argumentos.
    ‎"O que me leva ao conservadorismo é a pesquisa e a investigação da realidade. Como eu não gosto de futebol, não gosto de pagode, não gosto de axé music, não gosto de carnaval, não fumo maconha e considero o PT ilegal, posso dizer que não me considero brasileiro - ao contrário da maioria desses estúpidos que conheço, que afirma ter orgulho disso". (José Octavio Dettmann)
    " Platão já observava que a degradação moral da sociedade não chega ao seu ponto mais abjeto quando as virtudes desapareceram do cenário público, mas quando a própria capacidade de concebê-las se extinguiu nas almas da geração mais nova. " Citação de Olavo de Carvalho em "Virtudes nacionais".