Loja OLAVETTES: produtos Olavo de Carvalho

Assembléia Legislativa do Rio de Janeiro concede Medalha Tiradentes a Olavo de Carvalho. Aqui.

terça-feira, 5 de junho de 2012

ENTENDENDO O ESPÍRITO DO CONCÍLIO VATICANO II - PADRE PAULO RICARDO

 

Publicado em 05/06/2012 por sacrapaxgmailcom

ACESSE E CONFIRA AS NOVIDADES DO SITE :http://apologeticadafecatolica.blogspot.com.br/

Um comentário:

Renato Pessanha disse...

Cavaleiro:

Escrevo com o mesmo espírito da Cavalaria: franqueza e fortaleza, sem medo de ferir susceptibilidades. Mas com medida.

Há ótimos vídeos mandados por vc. Mas o do Padre Paulo Ricardo,(pelo menos este) é falso. Quem ler o sermão de abertura do Concílio VII pelo Papa João XXIII verá que o Padre Paulo pinçou uma frase só, que não reflete o conjunto, antes o falseia. É só consultar o documento em tela: abertura ao mundo, evitar os profetas de desgraças, e mostrar uma Igreja que possa ser aceita pelo homem contemporâneo. 50 anos depois, veja em que estado se encontra a Igreja. Em que deu o "diálogo"?
Em que deu o "aggiornamento"? A Igreja Católica faz água por todos os lados, e depois de 1965 muitos seminários se fecharam (na Bélgica todos os seminários menores foram fechados), muitas freiras engravidaram de padres, o que continua até hoje, pederastas penetraram nas fileiras sagradas, e o diálogo com os muçulmanos, judeus, protestantes e até pagãos, que frutos trouxe para a Igreja?

Com a sinceridade de quem não usa a espada do espírito em vão, afirmo que o Padre Paulo deu uma varada n'água. Todos os fatos estão contra a afirmação dele. A decepção foi grande, e só não foi maior porque já me acostumei a não confiar em nenhum padre "meio" tradicionalista. Ele á apenas mais um.

Assim o provam os fatos e os documentos, e a própria fala do Papa João XXIII em 1962. Leia o documento, se quiser e puder, e verá que tenho razão, ou seja, que a frase pinçada por ele não reflete a verdade do conjunto. É lamentável!

Do companheiro de armas

Renato Pessanha

wibiya widget

A teoria marxista da “ideologia de classe” não tem pé nem cabeça. Ou a ideologia do sujeito traduz necessariamente os interesses da classe a que ele pertence, ou ele está livre para tornar-se advogado de alguma outra classe. Na primeira hipótese, jamais surgiria um comunista entre os burgueses e Karl Marx jamais teria sido Karl Marx. Na segunda, não há vínculo entre a ideologia e a condição social do indivíduo e não há portanto ideologia de classe: há apenas a ideologia pessoal que cada um atribui à classe com que simpatiza, construindo depois, por mera inversão dessa fantasia, a suposta ideologia da classe adversária. Uma teoria que pode ser demolida em sete linhas não vale cinco, mas com base nela já se matou tanta gente, já se destruiu tanto patrimônio da humanidade e sobretudo já se gastou tanto dinheiro em subsídios universitários, que é preciso continuar a fingir que se acredita nela, para não admitir o vexame. Olavo de Carvalho, íntegra aqui.
"Para conseguir sua maturidade o homem necessita de um certo equilíbrio entre estas três coisas: talento, educação e experiência." (De civ Dei 11,25)
Cuidado com seus pensamentos: eles se transformam em palavras. Cuidado com suas palavras: elas se transformam em ação. Cuidado com suas ações: elas se transformam em hábitos. Cuidado com seus atos: eles moldam seu caráter.
Cuidado com seu caráter: ele controla seu destino.
A perversão da retórica, que falseia a lógica e os fatos para vencer o adversário em luta desleal, denomina-se erística. Se a retórica apenas simplifica e embeleza os argumentos para torná-los atraentes, a erística vai além: embeleza com falsos atrativos a falta de argumentos.
‎"O que me leva ao conservadorismo é a pesquisa e a investigação da realidade. Como eu não gosto de futebol, não gosto de pagode, não gosto de axé music, não gosto de carnaval, não fumo maconha e considero o PT ilegal, posso dizer que não me considero brasileiro - ao contrário da maioria desses estúpidos que conheço, que afirma ter orgulho disso". (José Octavio Dettmann)
" Platão já observava que a degradação moral da sociedade não chega ao seu ponto mais abjeto quando as virtudes desapareceram do cenário público, mas quando a própria capacidade de concebê-las se extinguiu nas almas da geração mais nova. " Citação de Olavo de Carvalho em "Virtudes nacionais".