Loja OLAVETTES: produtos Olavo de Carvalho

Assembléia Legislativa do Rio de Janeiro concede Medalha Tiradentes a Olavo de Carvalho. Aqui.

quinta-feira, 3 de novembro de 2011

“Aliança pela Liberdade” toma posse no DCE da UnB: é a primeira chapa não-esquerdista a vencer a eleição na história da Universidade; até eu fui citado…

REINALDO AZEVEDO
02/11/2011 às 5:39


Vejam a foto das moças e dos rapazes das Aliança Pela Liberdade. Noto neles vários defeitos para o movimento estudantil dos dinossauros: ainda não têm cabelos brancos, não têm cara de estudantes profissionais, levam todo o jeito de que gostam de estudar e me parecem dispostos a progredir na vida e a lutar para que todos progridam. Antes deles, sucessivas gerações tentaram fazer a revolução socialista. E só colaboraram para tornar a UnB menor do que ela pode ser! Coragem, moças e moços! Ainda demonstrarei que vocês podem ser um exemplo para o Brasil.
BONITOS, LIMPOS E BONDOSOS - Vejam a foto das moças e dos rapazes da Aliança Pela Liberdade. Apelando a um pouco de humor (esquerdista não entende a graça...), noto neles vários defeitos para o movimento estudantil dos feios, sujos e malvados: ainda não têm cabelos brancos; não têm cara de estudantes profissionais; levam todo o jeito de que gostam de estudar e me parecem dispostos a progredir na vida e a lutar para que todos progridam. Diria até que gostam de tomar banho... Antes deles, sucessivas gerações tentaram fazer a revolução socialista. E só colaboraram para tornar a UnB menor do que ela pode ser! Coragem, moças e moços! Ainda demonstrarei que vocês podem ser um exemplo para o Brasil.
Depois da foto-legenda, recomeço dando os parabéns aos jovens que compõem a chapa “Aliança pela Liberdade”, que venceu a disputa pelo DCE da Universidade de Brasília (UnB). Não se trata de um grupo de direitistas delirantes, como querem fazer crer os esquerdopatas delirantes. Os novos diretores do DCE não têm filiação partidária e acreditam que a entidade estudantil deva estar voltada para o atendimento das necessidades do estudantes e para o incentivo à pesquisa e ao empreendedorismo. Com alguma ironia, eu diria que é rigorosamente isso que se faz na Universidade de Pequim, onde o comunismo anda em baixa. Dada a importância da China hoje, acho que estão, nesse particular, no caminho certo. O problema é que as esquerdas da UnB, a exemplo de suas congêneres nas outras universidades, só são “chinesas” no apreço pela ditadura.
Os esquerdistas se fizeram presentes à posse, vaiando os vitoriosos, que também foram aplaudidos pelos alunos de verdade, aqueles que não agüentam mais ser tratados como massa de manobra das necessidades dos PT, do PSOL, do PSTU, do PCdoB, da PQP… Por isso fizeram uma aliança pela liberdade.
Sim, eu me interessei pelo caso da UnB e dei destaque aqui no meu blog, o que deixou um cretino da ex-diretoria, membro da Comissão Eleitoral, bastante nervoso. Fazer o quê, rapaz? Eu tenho mais de 100 mil visitas por dia. Você fala para os seus 20 crentes… Na Agência UnB, órgão oficial da universidade, que continua a fazer uma campanha velada contra os vitoriosos, leio que o dito-cujo“ressaltou o papel da impressa na cobertura das eleições. Foi aplaudido por boa parte da ‘oposição’ ao DCE quando chamou o colunista da revista VEJA, Reinaldo Azevedo, de ‘fascista’. Em resposta, Davi Brito deixou clara a posição conciliatória da nova gestão. ‘Assim como repudiamos quem chama esquerdistas de narcotraficantes, não podemos rotular Reinaldo Azevedo de fascista’, disse, em meio a vaias da ‘oposição’ e aplausos dos apoiadores.”
Sempre que um esquerdista me hostililiza, minha alma se regozija. Como se nota, o dinossauro está bravo comigo. Eu sei por quê! Tão logo a Aliança Pela Liberdade ganhou, um grupo de vigaristas deu início a um movimento para realizar um segundo turno, o que não está previsto nos estatutos. Além de ter exaltado a vitória dos “estudantes de verdade” da UnB, denunciei a tentativa de manobra. E ele me acha, então, “fascista” por isto: porque acho que o resultado as urnas tem de ser respeitado. Perdeu, pterodáctilo!
A propósito: eu jamais disse que esquerdista é sinônimo de narcotraficante. Aliás, no meu tempo de trotskysta, drogados eram malvistos. Ninguém confiava neles. Não confio até hoje. O que eu disse — reafirmo e sustento — é que, na USP, na UnB ou em qualquer universidades, rejeitam a presença da PM no campus os narcotraficantes e os extremistas de esquerda. Fazem uma composição. Nem é uma aliança inédita. Vejam o caso das Farc…
O que falta àquele bobalhão é estudo. Não serão os professores de esquerda a auxiliá-lo porque tão — ou mais — ignorantes quanto ele próprio. Eu não poderia ser fascista porque o fascismo é… de esquerda! O ódio que Mussolini tinha do capitalismo, do liberalismo e da democracia mataria esse cretino de inveja.
A Agência UnB dá amplo espaço aos adversários da chapa vencedora, que prometem, na pratica, tentar inviabilizar a nova gestão. Basta saber ler nas entrelinhas. Ficarei atento. No que depender de mim, os partidários da democracia contarão sempre com espaço. Clicando aqui, vocês têm acesso ao discurso de posse. Desejo boa sorte e bom trabalho aos ESTUDANTES DE VERDADE da UnB. Vejam lá que rostos saudáveis eles têm! Vida na universidade, em vez do triunfo da morte necessária, que é a crença última de um esquerdista de qualquer matiz.
Quanto àquele derrotado, dizer o quê? Fascista é tentar vencer no grito; fascista é tentar questionar a legitimidade do pleito quando se perde a eleição; fascista é uma minoria se impor pela intimidação e pela violência; fascista é tentar impedir o livre trânsito das idéias. Reinaldo Azevedo defende a Constituição e as leis democraticamente instituídas. Mais do que isso: defende que elas sejam mudadas segundo os mecanismos previstos para a sua mudança. Porque não há democracia sem instituições sólidas.
Vá se instruir, chorão!
Por Reinaldo Azevedo

Um comentário:

Anônimo disse...

Cristãos sendo espancados e queimados vivos na Costa do Marfin


http://www.youtube.com/watch?feature=player_embedded&v=yxfW9P82vgY&skipcontrinter=1

wibiya widget

A teoria marxista da “ideologia de classe” não tem pé nem cabeça. Ou a ideologia do sujeito traduz necessariamente os interesses da classe a que ele pertence, ou ele está livre para tornar-se advogado de alguma outra classe. Na primeira hipótese, jamais surgiria um comunista entre os burgueses e Karl Marx jamais teria sido Karl Marx. Na segunda, não há vínculo entre a ideologia e a condição social do indivíduo e não há portanto ideologia de classe: há apenas a ideologia pessoal que cada um atribui à classe com que simpatiza, construindo depois, por mera inversão dessa fantasia, a suposta ideologia da classe adversária. Uma teoria que pode ser demolida em sete linhas não vale cinco, mas com base nela já se matou tanta gente, já se destruiu tanto patrimônio da humanidade e sobretudo já se gastou tanto dinheiro em subsídios universitários, que é preciso continuar a fingir que se acredita nela, para não admitir o vexame. Olavo de Carvalho, íntegra aqui.
"Para conseguir sua maturidade o homem necessita de um certo equilíbrio entre estas três coisas: talento, educação e experiência." (De civ Dei 11,25)
Cuidado com seus pensamentos: eles se transformam em palavras. Cuidado com suas palavras: elas se transformam em ação. Cuidado com suas ações: elas se transformam em hábitos. Cuidado com seus atos: eles moldam seu caráter.
Cuidado com seu caráter: ele controla seu destino.
A perversão da retórica, que falseia a lógica e os fatos para vencer o adversário em luta desleal, denomina-se erística. Se a retórica apenas simplifica e embeleza os argumentos para torná-los atraentes, a erística vai além: embeleza com falsos atrativos a falta de argumentos.
‎"O que me leva ao conservadorismo é a pesquisa e a investigação da realidade. Como eu não gosto de futebol, não gosto de pagode, não gosto de axé music, não gosto de carnaval, não fumo maconha e considero o PT ilegal, posso dizer que não me considero brasileiro - ao contrário da maioria desses estúpidos que conheço, que afirma ter orgulho disso". (José Octavio Dettmann)
" Platão já observava que a degradação moral da sociedade não chega ao seu ponto mais abjeto quando as virtudes desapareceram do cenário público, mas quando a própria capacidade de concebê-las se extinguiu nas almas da geração mais nova. " Citação de Olavo de Carvalho em "Virtudes nacionais".