Loja OLAVETTES: produtos Olavo de Carvalho

Assembléia Legislativa do Rio de Janeiro concede Medalha Tiradentes a Olavo de Carvalho. Aqui.

segunda-feira, 31 de outubro de 2011

Por Qual Razão Chris Christie Nunca Será Presidente dos Estados Unidos

DANIEL PIPES

por Daniel Pipes
5 de Agosto de 2011
Original em inglês: Why Chris Christie Will Never Be President of the United States
Tradução: Joseph Skilnik

Chris Christie, governador de Nova Jersey desde 2010, possui qualidades e realizações que atraem as principais correntes conservadoras, advindas de seu estilo direto e de seu impressionante corte de despesas. Como resultado, obteve apoio para disputar a candidatura do Partido Republicano à presidência dos Estados Unidos.

Governador Chris Christie de Nova Jersey.

Mas Christie tem um calcanhar de Aquiles que nos faz parar para pensar.
Ele foi alvo de críticas de colegas conservadores por ter nomeado Sohail Mohammed, um islamista que pretende aplicar a lei islâmica, a Sharia, como juiz do Tribunal Superior do estado. Para saber mais sobre esse caso, consulte o Projeto Investigativo sobre o Terrorismo, "Gov. Christie's Strange Relationship with Radical Islam."

Como resposta, Christie proferiu um discurso veemente em 26 de julho de 2011, no tópico Sharia:

A lei Sharia não tem absolutamente nada a ver com isso [i.e., a nomeação de Sohail Mohammed]. É maluquice. É maluquice. … Quer dizer, esse negócio de lei Sharia é pura bobagem. É pura maluquice. E eu estou cansado de lidar com malucos. Quero dizer, você sabe, é injustificável acusar esse cara de coisas só por causa da sua formação religiosa. [Tirado do vídeo aos 2m43s].

Comentários: (1) São palavras desafiadoras contra colegas conservadores que não serão esquecidas tão facilmente: "esse negócio de lei Sharia é pura bobagem. É pura maluquice. E eu estou cansado de lidar com malucos".

(2) Chamar aqueles que criticam Mohammed de "malucos", que estão "acusando esse cara de coisas só por causa da sua formação religiosa", revela que Christie é um ignorante obstinado, não se trata de formação religiosa no relatório IPT sobre Mohammed e sim sobre atividades políticas.

(3) Ao contrário, Christie obteve hoje o caloroso endosso do Conselho de Relações Americano Islâmicas, cuja filial de Nova Jersey emitiu uma declaração agradecendo e aplaudindo-o, exortando que uma carta de gratidão seja enviada a ele através da página "Entre em contato" do Web site do governador.

(4) Não é uma má ideia contatar Christie: se você reside em Nova Jersey e deseja registrar sua insatisfação, acesse http://www.state.nj.us/governor/contact/.

(5) Embora ainda seja um problema pequeno, a Sharia teve um crescimento muito rápido desde o 11 de setembro, como preocupação para os americanos e deverá continuar assim por muitos anos e décadas vindouras.

(6) Teoricamente, Christie poderia se retratar por esses comentários e dissipar, em muito, os danos que causou a si mesmo. Mas, dada a sua imagem pública, duvido que isso aconteça.

(7) Consequentemente, eu pressuponho que a atitude rigorosamente amigável do tipo Grover Norquist de Christie com respeito aos islamistas, fará com que os conservadores se virem contra ele e diminuam consideravelmente sua possível candidatura a um posto mais alto. (5 de agosto de 2011)

Atualização de 6 de agosto de 2011: Para saber mais sobre a quantiosa resposta aos insultos lançados por Christie, refutando-o ponto a ponto, consulte a excelente análise de 2.500 palavras de Andrew C. McCarthy, colaborador sênior do National Review Institute. Alguns trechos do seu artigo, "Maluquices de Christie: a Sharia não é uma invenção da nossa imaginação":

as apreensões relacionadas à Sharia não podem ser desprezadas como "bobagens". Elas nos ajudam a separar os muçulmanos pró Estados Unidos, que desejamos fortalecer, do meio dos islamistas. Se desprezarmos essas apreensões, acabaremos construindo pontes para as pessoas erradas, como o governo tem feito, resultando em seu repetitivo constrangimento, por duas décadas. É dessa maneira que acabaremos "nos associando" a pessoas como Abdurrahman Alamoudi e Sami al-Arian (ambos condenados em última instância, tendo suas ligações com o terrorismo devidamente expostas), Salam al-Marayati, líder do Comitê Muçulmano de Relações Públicas [sic – deveria ser Conselho] que sustentou que Israel deveria estar no topo da lista dos suspeitos do 11 de setembro e organizações islamistas como o CAIR e a Sociedade Islâmica da América do Norte, que, embora não indiciadas, foram reveladas pelo Departamento de Justiça como coparticipantes de conspiração no caso do apoio financeiro ao Holy Land Foundation.

O governador Christie quer que acreditemos que a oposição ao Sr. Mohammed é puro preconceito: "É injustificável acusar esse cara de coisas só por causa da sua formação religiosa", reclamou contrariado, com severidade, para os repórteres. É uma história que os fãs de Christie adorariam ajudar a cimentar. Não é verdade. Só para esclarecer, Sohail Mohammed não é apenas um advogado. Serviu como membro do conselho administrativo de uma organização islamista, a American Muslim Union.

McCarthy conclui:

as questões sobre a nomeação de Sohail Mohammed pelo Governador Christie e as suas investidas em favor do cliente de Mohammed, Mohammed Qatanani, não têm nada a ver nem com a Sharia nem com as calúnias generalizadas sobre a islamofobia. Trata-se sim, sobre a capacidade de julgamento do governador. Sobre um promotor federal com ambições políticas, que usa da prática de favorecimentos a um grupo de apoio politicamente ativo em detrimento da segurança nacional e do cumprimento das leis de imigração. Sobre a sua decisão de conceder a magistratura de estado a um promotor que foi membro do conselho administrativo, ativo, de uma organização islamista problemática — e que tem a forte inclinação de partir do pressuposto que ações penais anti terror, perfeitamente válidas, são, ao contrário, perseguições anti-muçulmanas. Essas questões não podem ser respondidas com petulância.

Atualização de 27 de setembro de 2011: Aaron Blake do Washington Post revela hoje que a posição de Christie em relação a Sharia não é o seu único desvio dos preceitos conservadores. Isso tudo corrobora com a diminuição da sua possibilidade em se tornar presidente.


Tópicos Relacionados: Muçulmanos nos Estados Unidos, Política dos Estados Unidos

cadastre-se para receber gratuitamente o boletim semanal de daniel pipes em português

_________________

Esse texto poderá ser reproduzido ou reencaminhado, contanto que seja apresentado em sua íntegra juntamente com informações completas sobre o autor, data, local da publicação e URL original.

Nenhum comentário:

wibiya widget

A teoria marxista da “ideologia de classe” não tem pé nem cabeça. Ou a ideologia do sujeito traduz necessariamente os interesses da classe a que ele pertence, ou ele está livre para tornar-se advogado de alguma outra classe. Na primeira hipótese, jamais surgiria um comunista entre os burgueses e Karl Marx jamais teria sido Karl Marx. Na segunda, não há vínculo entre a ideologia e a condição social do indivíduo e não há portanto ideologia de classe: há apenas a ideologia pessoal que cada um atribui à classe com que simpatiza, construindo depois, por mera inversão dessa fantasia, a suposta ideologia da classe adversária. Uma teoria que pode ser demolida em sete linhas não vale cinco, mas com base nela já se matou tanta gente, já se destruiu tanto patrimônio da humanidade e sobretudo já se gastou tanto dinheiro em subsídios universitários, que é preciso continuar a fingir que se acredita nela, para não admitir o vexame. Olavo de Carvalho, íntegra aqui.
"Para conseguir sua maturidade o homem necessita de um certo equilíbrio entre estas três coisas: talento, educação e experiência." (De civ Dei 11,25)
Cuidado com seus pensamentos: eles se transformam em palavras. Cuidado com suas palavras: elas se transformam em ação. Cuidado com suas ações: elas se transformam em hábitos. Cuidado com seus atos: eles moldam seu caráter.
Cuidado com seu caráter: ele controla seu destino.
A perversão da retórica, que falseia a lógica e os fatos para vencer o adversário em luta desleal, denomina-se erística. Se a retórica apenas simplifica e embeleza os argumentos para torná-los atraentes, a erística vai além: embeleza com falsos atrativos a falta de argumentos.
‎"O que me leva ao conservadorismo é a pesquisa e a investigação da realidade. Como eu não gosto de futebol, não gosto de pagode, não gosto de axé music, não gosto de carnaval, não fumo maconha e considero o PT ilegal, posso dizer que não me considero brasileiro - ao contrário da maioria desses estúpidos que conheço, que afirma ter orgulho disso". (José Octavio Dettmann)
" Platão já observava que a degradação moral da sociedade não chega ao seu ponto mais abjeto quando as virtudes desapareceram do cenário público, mas quando a própria capacidade de concebê-las se extinguiu nas almas da geração mais nova. " Citação de Olavo de Carvalho em "Virtudes nacionais".