Loja OLAVETTES: produtos Olavo de Carvalho

Assembléia Legislativa do Rio de Janeiro concede Medalha Tiradentes a Olavo de Carvalho. Aqui.

sexta-feira, 30 de dezembro de 2011

Cristina Kirchner vai retirar tumor! Onde está a criatividade esquerdista?

LUCIANO AYAN


Segundo o UOL, a presidente ditadora da Argentina, Cristina Kirchner, está com câncer.
Segundo a notícia, o câncer de Cristina é na tireóide e ela será operada no dia 4 de janeiro.
Claro que se fosse com um artista, como no caso de Patrick Swayze, haveriam grandes chances dela ir para o saco. Assim como também aconteceu com Andy Whitfield, da série “Spartacus – Sangue e Areia”. Ou está acontecendo com Gianecchini. Nota-se que o coitado só está o barbante…
Mas no caso de ditadores de esquerda, a questão é bem diferente: fazem uma “quimio” rapidinha e aparecem como se nada tivesse acontecido. Veremos como serão as notícias dela no dia 5 de janeiro. Prevejo algo como: “Cristina se recupera de maneira surpreendente”. Ah, tá…
Em resumo, o câncer de ditadores de esquerda é como a nossa gripe.
É claro que há caroço nesse angu e não é de hoje que devemos suspeitar disso.
Eu também sei que petralhas ficaram irritadíssimos com meu texto sobre o câncer suspeitíssimo de Lula.
Deviam ficar felizes. Aquele artigo era um texto de otimismo (para os lulistas). Eu digo em alto e bom tom: “podem ficar tranquilos que, conforme o script, Lula estará recuperado!”. Motivo: eu duvido que ele tenha realmente câncer.
No caso de presidentes da América latina, nos últimos 3 anos já são 5 casos: Cristina Kirchner (Argentina), Lula (Brasil), Dilma (Brasil), Chavez (Venezuela) e Fernando Lugo (Paraguai). Todos de esquerda, naturalmente.
Todos continuam gordinhos e com as bochechas rosadas.
Será que a Cristina vai inovar e contratar um maquiador? Ela bem que podia contratar o maquiador do Freddy Krueger e criar um ar cadavérico. Sei lá, é só uma idéia. Ajudaria a tornar essa encenação toda mais convincente. Como diria o ceguinho esperançoso, veremos.
O grande humorista, no entanto, é Hugo Chavez.
Sei que para os venezuelanos, ele não tem graça nenhuma. Mas vendo de fora, o sujeito é uma verdadeira pândega.
Segundo Chavez, há algo de suspeito nos casos de câncer entre “líderes latino americanos”. Disse ele: “Seria estranho que tivessem desenvolvido uma tecnologia para induzir o câncer e ninguém saiba até agora, e se descubra isto apenas dentro de 50 anos?”.
Realmente, eu concordo que é muito estranho. Devíamos investigar todos esses casos. Mas investigar MESMO…
O curioso é que todos os cânceres de presidentes de esquerda aparecem em momentos oportunos.
No caso de Dilma, ela estava sendo alçada para o cargo de presidente. Isso poderia reforçar a imagem dela de “lutadora”.
No caso de Lula, a coisa estava ficando feia por causa da queda de ministros (vários deles empossados por ele). A notícia do câncer já ajudou a desviar o foco.
Agora, Cristina oficializa a ditadura na Argentina, arquiteta e executa planos para controlar a imprensa. Nada melhor que aparecer um câncer para que a patuléia se derrame em prantos por ela.
Com um câncer em mãos, não há mais julgamentos sobre quaisquer ações que ela cometer.
Assim como existe a teoria da suspensão de crença ou descrença, no caso dela, por causa do câncer, temos agora um momento de suspensão de julgamento sobre tudo que ela fizer.
Nada mal para quem está indo da hegemonia para o poder…

Um comentário:

Anônimo disse...

Finalmente achei alguém que concorda comigo.

wibiya widget

A teoria marxista da “ideologia de classe” não tem pé nem cabeça. Ou a ideologia do sujeito traduz necessariamente os interesses da classe a que ele pertence, ou ele está livre para tornar-se advogado de alguma outra classe. Na primeira hipótese, jamais surgiria um comunista entre os burgueses e Karl Marx jamais teria sido Karl Marx. Na segunda, não há vínculo entre a ideologia e a condição social do indivíduo e não há portanto ideologia de classe: há apenas a ideologia pessoal que cada um atribui à classe com que simpatiza, construindo depois, por mera inversão dessa fantasia, a suposta ideologia da classe adversária. Uma teoria que pode ser demolida em sete linhas não vale cinco, mas com base nela já se matou tanta gente, já se destruiu tanto patrimônio da humanidade e sobretudo já se gastou tanto dinheiro em subsídios universitários, que é preciso continuar a fingir que se acredita nela, para não admitir o vexame. Olavo de Carvalho, íntegra aqui.
"Para conseguir sua maturidade o homem necessita de um certo equilíbrio entre estas três coisas: talento, educação e experiência." (De civ Dei 11,25)
Cuidado com seus pensamentos: eles se transformam em palavras. Cuidado com suas palavras: elas se transformam em ação. Cuidado com suas ações: elas se transformam em hábitos. Cuidado com seus atos: eles moldam seu caráter.
Cuidado com seu caráter: ele controla seu destino.
A perversão da retórica, que falseia a lógica e os fatos para vencer o adversário em luta desleal, denomina-se erística. Se a retórica apenas simplifica e embeleza os argumentos para torná-los atraentes, a erística vai além: embeleza com falsos atrativos a falta de argumentos.
‎"O que me leva ao conservadorismo é a pesquisa e a investigação da realidade. Como eu não gosto de futebol, não gosto de pagode, não gosto de axé music, não gosto de carnaval, não fumo maconha e considero o PT ilegal, posso dizer que não me considero brasileiro - ao contrário da maioria desses estúpidos que conheço, que afirma ter orgulho disso". (José Octavio Dettmann)
" Platão já observava que a degradação moral da sociedade não chega ao seu ponto mais abjeto quando as virtudes desapareceram do cenário público, mas quando a própria capacidade de concebê-las se extinguiu nas almas da geração mais nova. " Citação de Olavo de Carvalho em "Virtudes nacionais".